Especialistas orientam sobre como falar com pessoas hesitantes em se vacinar

Ao redor o mundo, movimentos antivacina ganham adeptos e para convencer as pessoas da importância da imunização é preciso compreender o motivo da hesitação

Weslley Galzo, da CNN em São Paulo
11 de abril de 2021 às 11:15 | Atualizado 11 de abril de 2021 às 16:21
Profissional de saúde prepara dose de vacina contra o coronavírus
Profissional de saúde prepara dose de vacina contra o coronavírus
Foto: Alexandre Silva/FotoArena/Estadão Conteúdo

Em entrevista à CNN, Margareth Dalcomo, pesquisadora da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), falou sobre a vacinação contra o novo coronavírus no país e disse considerar os movimentos antivacinas criminosos. Para ela, os grupos que engajam a população contra a imunização não devem prosperar. No entanto, pesquisas apontam que cerca de 20% da população brasileira é relutante em relação à vacinação.

"Costumo dizer que a gente tem duas epidemias: uma do vírus e uma de tolices e mentiras. No Brasil, esses movimentos, felizmente, não prosperaram. O Brasil tem uma tradição de muito respeito pelas vacinas, os brasileiros gostam de vacina, e o Brasil sabe vacinar", explicou.

Como pediatra, a Dra. Edith Bracho-Sanchez passa muitos de seus dias com mães e pais nervosos, ouvindo os motivos pelos quais estão preocupados com o fato de seus filhos receberem vacinas. "Muitas vezes a recusa da vacinação se manifesta apenas como discordâncias completas sobre como criar filhos", afirma Bracho-Sanchez.

Para navegar neste universo de complexidade, ela diz às famílias que nunca julgaria os pais ou os acusaria de não amarem menos os filhos se tivessem medo da vacinação. Ela apenas pede que conversem sobre isso. Para que alguns responsáveis levem os seus filhos para tomar as vacinas infantis, pode levar anos, mas os pais céticos costumam mudar.

Ela agora está aplicando de forma mais acelerada essas experiências arduamente conquistadas, incentivando as famílias a vacinarem seus filhos, na forma como ela fala com seus próprios familiares que hesitam em receber a vacina Covid-19.

“São vacinas novas e vêm com uma reação e um medo muito reais”, disse ela. "Acho que também temos que lembrar que existe uma grande desinformação por aí." As habilidades dela, e as de pediatras como ela, podem ajudá-lo enquanto você conversa com seus entes queridos sobre como se proteger contra a Covid-19.

A hesitação da vacina está diminuindo

Mais de 100 milhões de americanos receberam pelo menos uma dose da vacina Covid-19, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

E a abertura para a vacina está aumentando, com 74% dos americanos relatando que estão dispostos a receber uma vacina Covid-19 ou que já a receberam, de acordo com uma pesquisa Gallup publicada em 30 de março. 65% a partir de dezembro.

Ainda assim, cerca de 26% dos americanos dizem que não receberiam uma vacina agora.
Fazer o país ultrapassar o limiar da imunidade coletiva significa encontrar maneiras de persuadir pelo menos uma parte das pessoas que ainda hesita em ter sua chance.

No Brasil, um levantamento divulgado pelo Instituto Datafolha, em 23 de janeiro deste ano, mostrou que 79% dos brasileiros querem se imunizar contra o coronavírus, o que representa um crescimento de 6 pontos percentuais em relação à última pesquisa do instituto, realizada entre 8 e 10 de dezembro de 2020.

Pesquisa recente divulgada pelo Datafolha, no dia 20 de março, apontou que 76% dos brasileiros consideram que a vacinação contra a Covid-19 no Brasil segue em ritmo mais lento do que deveria, enquanto apenas 6% avaliam que as vacinas estão sendo aplicadas de forma mais rápida que o devido. Para outros 18% dos entrevistados, o processo de imunização da população ocorre em velocidade adequada.

Dê espaço às pessoas e ouça suas preocupações

Para muitos, a hesitação da vacina Covid-19 se manifesta simplesmente como medo de algo novo.
"É uma reação humana normal ter medo. O medo é muito real. Não o torna estúpido. É normal", disse Bracho-Sanchez. "Eles estão tendo uma reação normal e talvez não tenham conseguido conversar com o médico."

Procure um momento para ter uma conversa calma e racional em que nenhuma das pessoas esteja com raiva ou com probabilidade de começar uma briga.

"A primeira coisa que eu diria é 'eu entendo. Eu entendo totalmente de onde você está vindo e entendo que você esteja preocupado com isso'", disse Bracho-Sanchez.

Como você está conversando com pessoas pelas quais estima o bem, ela enfatiza a importância de ser um ouvinte ativo e empático.

"Se você realmente se preocupa com alguém e está tentando ajudá-lo a pensar em algo que pode ser benéfico para a saúde dele, se você gritar, se for condescendente, se disser muitas vezes que ele não está disposto a ouvir, você pode perder esse vínculo, e isso fecha a porta para conversas futuras ", disse ela. Como pediatra, Bracho-Sanchez conseguiu cutucar os pais ao longo de várias conversas.

Cite dados científicos

O ceticismo em relação às vacinas existentes - como as do sarampo, caxumba e rubéola - foi motivado por preocupações como uma ligação espúria com o autismo, que foi desmentida por um significativo corpo de pesquisas.

Estudo após estudo mostrou que as vacinas são seguras e eficazes para prevenir doenças.
E o histórico das vacinas Covid-19 tem sido particularmente forte. As reações adversas são extremamente raras e as vacinas fabricadas pela Pfizer e Moderna, por exemplo, têm demonstrado capacidade de prevenção de doenças bem acima de 90%.

“Acho importante observar que quanto mais um grupo de pessoas sabe sobre a vacina, mais provável é que a tomem”, disse a Dra. Susan Bailey, presidente da American Medical Association.

Na semana passada, a Pfizer divulgou seis meses de dados mostrando que sua vacina é segura e eficaz. Etapas como essa podem ajudar a convencer os resistentes. Cerca de 23% dos que se opunham à vacina afirmam "esperar para confirmar se é segura", de acordo com Gallup.

"Essa é outra pergunta comum que as pessoas têm: 'Bem, eu quero esperar um pouco e ver como vai. Bem, esperamos um pouco e tudo ainda parece ótimo", disse Bailey. "O resultado final é que o maior risco é não tomar a vacina e ficar doente com a Covid."

Ela recomendou indicar às pessoas o Get Vaccine Answers, um site criado pelo Ad Council, que oferece explicações claras sobre como as vacinas funcionam, como foram autorizadas para uso e como é ser vacinado. A CNN criou um recurso com respostas úteis e cientificamente comprovadas para problemas comuns que aqueles que ainda não têm certeza sobre as vacinas costumam levantar.

Enfatize a norma social

"Existem grupos de pessoas que hesitam em vacinar porque é parte de sua identidade social", disse o Dr. Richard Pan, pediatra e senador do estado da Califórnia, que foi coautor da legislação de 2015 para remover a crença pessoal como motivo para isenções de vacinas.

"Antes, eram mães brancas que gostavam de bem-estar e óleos essenciais. Essa era o esteriótipo da mãe hesitante sobre a vacina." Atualmente há um garoto-propaganda diferente para a hesitação à vacina Covid-19.

Pan, um democrata, citou um estudo recente da Kaiser Family Foundation que descobriu que 29% dos republicanos e 28% dos cristãos evangélicos brancos dizem que "definitivamente não" tomarão a vacina.

"Eles são os que não acham que o vírus da Covid-19 seja tão sério. Dizem que usar máscara não ajuda ou é para maricas", disse Pan. Embora três em cada dez se oponham, isso ainda significa que a maioria foi vacinada ou planeja fazê-lo."Em termos políticos, isso é uma vitória esmagadora. É mais de dois terços", disse ele.

Uma maneira de trazer os conservadores brancos restantes a bordo, acrescentou ele, é reconhecer que a maioria deles já está fazendo a coisa certa. E as pessoas muitas vezes imitam o comportamento de outras pessoas em seu grupo social.

“Quando souberem que você escolheu se vacinar, eles vão considerar que você faz parte do círculo social deles”, disse Pan. "Isso se torna a norma social para o seu círculo social imediato."

Compartilhe por que você está sendo vacinado

Para Bracho-Sanchez, às vezes, a melhor abordagem é ter um tratamento pessoal com os novos pais durante as consultas de seus filhos. Ela conta de um caso em que houve um motivo simples para uma mulher tomar a vacina contra Covid-19: ela estava gravida. Ela conta como tomou a injeção durante o segundo trimestre, mesmo quando havia dados mínimos disponíveis sobre o desempenho das vacinas.

Acreditando no mantra "mãe saudável, bebê saudável", ela queria ser protegida porque sabia que pegar Covid-19 era pior. "Foi muito bem recebido", disse ela. “Outras mães diriam, 'Sério? Você tomou?'" Mas elas pararam de questionar quando pensaram sobre isso". Existem muitas razões positivas para compartilhar.

"Outra estratégia é descobrir no que essa pessoa está interessada e o que ela está perdendo desde o início da pandemia", disse Bailey. “Eles estão perdendo estar com parentes? Eles estão perdendo eventos que costumavam comparecer? Essa pessoa entendeu que a maneira mais rápida de todos nós voltarmos a essas coisas que sentimos falta é vacinar 70% a 80% da população",

O CDC deu outro incentivo em 2 de abril, revisando suas diretrizes de viagem para dizer que aqueles que estão totalmente vacinados podem viajar com baixo risco para si próprios.
Algumas pessoas, que foram infectadas e subsequentemente afetadas por longos sintomas de Covid, relataram que se sentiram melhor após as vacinas.

Histórias como essa podem ser uma luz no fim do túnel para aqueles que tiveram uma vida difícil vivendo com o vírus real.

Ajude-os a agendar a consulta

E, finalmente, a hesitação da vacina pode ser apenas uma questão de não ter certeza sobre como realmente marcar a consulta e chegar ao local de vacinação.

"Ajude-os a agendar", disse Bracho-Sanchez. “Especialmente as pessoas que estão com medo vão dizer: 'ok, sim, acho que vou fazer isso.' E então eles não o fazem. Às vezes é só porque a logística é um pouco um obstáculo".

Acessem juntos o site do departamento de saúde pública local. Ofereça-se para levá-los à clínica para tornar as coisas um pouco mais fáceis. "Se você se preocupa com alguém, deve ajudá-lo", disse ela. “Diga: 'vamos fazer isso juntos. Vamos fazer alguma coisa, então se você se vacinar, vamos jantar depois. Vamos comemorar juntos.' Apenas algo extra como isso para mostrar que você se importa".

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

(Com informações de Ryan Prior, da CNN)