Asma e coronavírus: como diminuir a chance de gravidade

Reconhecer os gatilhos e os sintomas da asma estão entre as dicas dos especialistas para distinguir a doença da Covid-19 e tomar as providências necessárias

Sandee LaMotte, da CNN
04 de maio de 2021 às 15:37
Como diferenciar os sintomas da asma dos sintomas de Covid-19
Como diferenciar os sintomas da asma dos sintomas de Covid-19
Foto: Getty Images

A asma é uma das condições de saúde pré-existentes que aumenta o risco de um caso mais grave de Covid-19, a doença causada pelo coronavírus. “Durante um ataque de asma, a pessoa sente quase como se respirasse por um canudo, porque a inflamação restringe as vias aéreas”, explica a médica Lakiea Wright, que se especializou em alergias e imunologia no Hospital Brigham and Women em Boston.

“Dá para imaginar que vai ser ainda pior se um vírus que causa inflamação extra entrar nas vias aéreas”, disse Wright. “São os pacientes que podem acabar usando respiradores para ajudar, porque a Covid-19 causa muitos danos aos pulmões”.

Muitos dos principais sintomas da Covid-19, como tosse, falta de ar e aperto no peito, também são típicos da asma. Outros sinais potenciais, como espirros, coriza, olhos vermelhos e fadiga, podem parecer reações alérgicas.

“Se os sinais são tão semelhantes, como podemos diferenciá-los? Pode ser muito confuso para os pacientes”, disse a médica. “Falo aos meus pacientes para procurarem por coisas que seriam sintomas típicos de Covid-19, como febre e dores no corpo. Alergias ou asma por si só não causariam esses sintomas”.

Pessoas com asma alérgica podem usar anti-histamínicos e outros tratamentos de alergia, disse o pediatra Dougherty. Se esses tratamentos reduzirem os sintomas, é sinal de que é só alergia. Quanto à asma, o pediatra conta que qualquer pessoa que já tenha sofrido um ataque provavelmente tem um histórico de asma e pode comparar os sintomas.

“Não acho que uma pessoa vá ter o primeiro episódio de asma na vida pegando o coronavírus. E mesmo que ela tenha o coronavírus e um evento asmático ao mesmo tempo, seus sintomas de asma devem melhorar usando seu inalador de alívio rápido”.

Táticas de prevenção

Se o objetivo é manter os pulmões o mais saudáveis possível, como fazer isso? Conheça seus gatilhos. “A asma não aparece do nada. Ela tem gatilhos, diferentes para cada pessoa - a fumaça do cigarro pode ser o seu gatilho, ou a prática de exercício físico”, exemplificou Dougherty.

“Espero que todo asmático tenha uma boa compreensão das coisas que têm maior probabilidade de desencadear sua asma e tente evitá-las”, opinou o pneumologista Albert Rizzo, diretor médico da American Lung Association (Associação Americana do Pulmão).

Ou seja, é preciso analisar seu ambiente e usar o bom senso, disse o especialista em terapia intensiva pulmonar Mitchell Glass, porta-voz da mesma associação. "É o momento de encontrar um parente querido que vai limpar a caixa de areia do gatinho”, disse Glass. "Por mais que você ame seu gato, esta pode não ser a hora de ficar com ele no seu colo. Minimize sua exposição à poeira, a cheiros nocivos, a qualquer coisa que possa desencadear um ataque de asma”.

Mantenha um diário. Os asmáticos devem usar medidores de pico de fluxo expiratório, dispositivos que medem a força da respiração, para checar a abertura das vias aéreas, disse Rizzo. Vale a pena manter um registro diário desses números e de outros sinais reveladores.

“Os pacientes devem avaliar com que frequência estão usando seus medicamentos de crise e a frequência com que acordam à noite com tosse ou chiado. São os sinais de alguma instabilidade que pode estar ocorrendo”, afirmou o pneumologista. 

“Isso dá aos asmáticos uma maneira de controlar uma pequena mudança em sua respiração, e traz informações que eles podem transmitir aos seus médicos se a condição não reverter depois de usar o inalador de alívio rápido ou de resgate”, acrescentou.

É preciso também registrar a temperatura diariamente, disse Wright. “Quando chegar na hora da consulta, o paciente já chega com esse tipo de evidência objetiva”, completou a médica. Localize e verifique seus medicamentos. “Tive alguns pacientes para os quais pedi que pegassem o inalador e eles não conseguiram encontrá-lo em casa”, contou Dougherty.

"Temos dados que sugerem que é preciso ter sempre um inalador de resgate, não importa o que mais o paciente esteja usando”, relatou Glass. “Seja o inalador com albuterol ou levalbuterol, ele serve estritamente para socorrer em caso de um ataque agudo”.

Verifique sempre a data de validade do medicamento. “É preciso ter certeza de que o inalador em uso está ativo e não ficou parado no armário por dois anos”. Os asmáticos que estão tomando medicamentos biológicos, que reduzem significativamente a resposta imunológica e tornam o usuário mais suscetível à infecção, devem discutir seu protocolo com o médico.

Saiba como usar os inaladores corretamente. O pediatra Matt Dougherty, que trata crianças com alergias e asma em St. Louis, Missouri, adora fazer consultas por telemedicina em vez de um telefonema, porque nelas pode pedir a seus pacientes para encontrar seus inaladores e identificá-los corretamente.

“Eu checo se o paciente pode pegar o inalador e saber qual ele é. Será que é o inalador que eles tomam como medicamento preventivo para evitar que fiquem ofegantes? Ou é o remédio de resgate, o inalador usado quando já estão com falta de ar ou no meio de uma crise asmática? Não entender completamente a função de cada um altera a forma como um asmático se comporta quando está tentando se tratar”, contou o médico.

Também é fundamental que os asmáticos saibam como usar corretamente seus inaladores e espaçadores (um dispositivo que ajuda a administrar a medicação com mais precisão). “Peço para os pacientes pegarem seus inaladores e espaçadores e demonstrarem como estão usando, para que eu possa ter certeza de que estão fazendo tudo certinho”, disse Dougherty, acrescentando que a ação pode depender do tipo de inalador em uso.

Plano de ação

Use seu plano de ação para a asma. Como todo asmático é diferente em termos de gatilhos e a forma como seus pulmões respondem, cada pessoa precisa trabalhar com seu médico para desenvolver um plano de ação individual.

“O plano de ação para a asma ajuda os pacientes a decidir se é preciso ligar para o médico e pedir algum medicamento adicional. Enfatizo a necessidade de ligar para o médico para não precisar ir o consultório ou para o pronto-socorro, a menos que esteja sofrendo muito”, aconselhou Rizzo.

O pediatra Dougherty faz questão de revisar o plano de ação de cada paciente durante sua consulta de telemedicina. Depois, pede ao paciente que repita o plano de ação. “Eu digo que quero que eles aceitem o plano e que o expliquem para outra pessoa que não estava na consulta. Se eles não conseguirem, digo que tudo bem, que não é motivo de vergonha. Isso simplesmente significa que eu não expliquei direito”. 

Quando se trata de pacientes pediátricos com asma, é extremamente importante que cada adulto encarregado de cuidar dessa criança também esteja intimamente familiarizado com o plano de ação, disse Dougherty.

"Todos que poderiam cuidar daquela criança em uma emergência precisam saber o que fazer e como fazer quando a criança está respirando confortavelmente na sua frente", disse o pediatra. “Não dá para ler este plano e descobrir o que fazer quando a criança já estiver lutando para respirar”.

Sinta-se bem por estar preparado. Embora isso possa soar como um monte de itens para marcar numa lista, os especialistas disseram que os pacientes com asma não devem se deixar dominar pelo medo do coronavírus. Afinal, eles estão preparados.

“Ninguém deve ter medo”, disse Rizzo. “Acho importante que os asmáticos entendam que não têm maior risco de contrair o vírus, desde que sigam o distanciamento social e a llavagem das mãos. Eles devem usar seus medicamentos e estar em contato com seus médicos. Portanto, acho que não é preciso ter medo”.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês)