Epidemiologista: Com chegada do IFA, produção de vacina se regulariza até junho

Fiocruz recebe nova remessa de Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFA) neste sábado (22) para produzir o imunizante de Oxford

Fernanda Pinotti, da CNN, em São Paulo
22 de maio de 2021 às 10:12 | Atualizado 22 de maio de 2021 às 10:14

Em entrevista à CNN, a epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Ethel Maciel destacou a nova remessa de Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFA) para a produção de vacina que chega neste sábado (22) ao Brasil. Segundo ela, o carregamento ajudará o Brasil a regularizar a produção dos imunizantes.

Os insumos que chegam neste sábado serão utilizados para fabricar 12 milhões de doses do imunizante de Oxford/AstraZeneca na Fiocruz. Os lotes chegam às 17h50, no Aeroporto Internacional do Galeão. 

“Está chegando hoje para a Fiocruz o IFA [para produzir a vacina de Oxford]. Na próxima semana, chega para o Butantan [produzir a Coronavac]. Assim, a gente conseguiria regularizar essa produção e já no final de maio, início de junho, a gente regulariza."

Segundo um levantamento feito pela produção da CNN, nos últimos dias caiu o ritmo de vacinação contra a Covid-19 no Brasil. Em uma semana, o volume de doses aplicadas diminuiu 18%. A falta de insumos para a produção é um dos fatores. 

Ethel Maciel falou, ainda, sobre a expectativa de que a Fiocruz possa produzir os insumos nacionalmente. 

“Pelo anúncio agora da Fiocruz, nos parece que no próximo mês a fundação já começaria a produzir o IFA aqui, já é uma excelente notícia. Vamos acompanhar para saber se isso de fato a gente vai conseguir cumprir este prazo.”

Variante originária da Índia

A epidemiologista disse que além do Maranhão, já existe a suspeita de que a variante da Índia já esteja em outras regiões. Ela também reforçou a necessidade de mais atenção com as fronteiras do país. 

“Nós temos preocupação não só em relação ao navio que chegou no Maranhão, temos casos sendo investigados no Ceará já. Nós temos a variante que foi identificada na Índia que já está na Argentina e nós temos fronteiras com os estados do sul. São fronteiras terrestres. Temos a fronteira aérea, terrestre e os portos. Precisamos aumentar a vigilância em todas estas fronteiras”, afirma.

As vacinas contra a Covid-19 garantem proteção porque previnem a doença, especialmente nas formas graves, reduzindo as chances de morte e internações.

Embora não impeçam o contágio e nem a transmissão do vírus, a vacinação é essencial, já que induz o sistema de defesa do corpo a produzir imunidade contra o coronavírus pela ação de anticorpos específicos, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).