Por que a vacina contra Covid-19 ainda não está disponível para crianças

Pesquisadores procuram pela dose certa e ainda estudam reflexos dos possíveis efeitos adversos neste público

John Bonifield, da CNN
16 de julho de 2021 às 10:53
Criança recebe aplicação de vacina
Criança recebe aplicação de vacina
Foto: GettyImages

Norte-americanos com 12 anos ou mais podem tomar a vacina Covid-19, mas as crianças mais novas ainda estão esperando.

Com muitas escolas nos Estados Unidos há apenas algumas semanas da reabertura para o semestre de outono, as empresas farmacêuticas Pfizer e Moderna ainda estão fazendo testes clínicos para ver como as vacinas contra o coronavírus funcionam em crianças menores de 12 anos, ou seja, se são seguras e qual deve ser a dose certa.

Enquanto isso, todos os estados do país, exceto quatro, estão observando uma tendência crescente de casos, com médicos descrevendo pacientes que são mais jovens e mais doentes do que os que viram no inverno.

O aumento de casos faz com que muitos pais de crianças com menos de 12 anos perguntem quando seus filhos pequenos e não tão pequenos poderão tomar a vacina. A resposta é que levará meses, senão mais. Não é tão simples quanto administrar as doses disponíveis para adultos a pessoas mais jovens.

“Eu entendo a preocupação dos pais em querer que seus filhos sejam vacinados, mas temos que nos certificar de que estamos fazendo o melhor e mais seguro para as crianças”, disse Dr. Chip Walter, pediatra da Duke University e investigador dos testes da Pfizer.

Quando poderemos vacinar menores de 12 anos

A pesquisa da vacina da Pfizer está avaliando mais de 4.600 crianças em três grupos de idade: 5 a 11 anos; crianças de 2 a 5 anos; e bebês de 6 meses a 2 anos de idade.

Os dados para crianças de 5 a 11 anos podem chegar em setembro e, dependendo das descobertas, a empresa disse à CNN que poderia pedir à Food and Drug Administration dos EUA para autorizar o uso emergencial da vacina no mesmo mês.

Os dados para crianças de 2 a 5 anos podem chegar logo depois. Para as crianças mais novas, a Pfizer disse que poderia potencialmente obter dados em outubro ou novembro e, logo depois, pedir ao FDA para autorizar o uso de emergência.

As considerações sobre o uso de emergência pelo FDA podem levar várias semanas, o que significa que uma vacina para crianças mais novas provavelmente não estará disponível até o final do outono ou mesmo no próximo ano.

O estudo da vacina da Moderna está avaliando cerca de 6.700 crianças com idades entre 6 meses e 11 anos. A empresa se recusou a fornecer um cronograma à CNN sobre quando poderia ter estes resultados.

"As empresas estão dizendo no outono ... Eu ficaria surpreso se elas pudessem agir tão rapidamente, embora eu suponha que seja possível", disse Dr. Peter Hotez, vacinologista e reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College of Medicine.

"Não consigo imaginar que estaríamos em posição de sequer considerar como usar essas vacinas até o final de 2021, indo para o primeiro trimestre de 2022", disse o Dr. Buddy Creech, um pediatra especialista em doenças infecciosas da Universidade de Vanderbilt e um dos principais investigadores da vacina pediátrica para Covid-19 da Moderna.

"Eu adoro o fato de estarmos aproveitando o sucesso da rapidez com que conseguimos obter uma vacina para adultos, mas só precisamos ser pacientes."

'Crianças não são apenas pequenos adultos'

Um ano e meio após o início da pandemia, os pais podem se perguntar por que ainda não existe uma vacina para crianças mais novas. Afinal, algumas crianças são tão grandes quanto as crianças mais velhas para as quais a vacina é autorizada.

"Já tive essa discussão com vários pais", disse o Dr. William Schaffner, professor da Divisão de Doenças Infecciosas da Universidade de Vanderbilt e consultor de vacinas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. "Não tem nada a ver com tamanho. Tem tudo a ver com a maturidade do sistema imunológico, e isso não se correlaciona um a um com o tamanho da criança."

As crianças pequenas podem precisar de doses diferentes. Eles podem precisar de um número diferente de doses. Eles podem não precisar de tantas doses.

"Não sabemos para crianças pequenas", disse Creech. "As crianças não são apenas pequenos adultos."

E as crianças também não são todas iguais.

"O que você pode ver em uma criança de seis meses de idade pode ser diferente do que você vê em uma criança de 3 anos versus uma criança de 8 anos de idade, ou versus um adolescente de 13 ou 14 anos. Então, você precisa avaliar cada idade separadamente e avaliar as vacinas ”, disse Walter.

Creech disse que encontrar a "dose certa" para crianças pequenas leva tempo. Dê muito pouco e a criança pode não produzir uma resposta imunológica suficiente ao coronavírus. Então, eles estão recebendo uma vacina com potencial para efeitos colaterais com pouco ou nenhum benefício.

"Nunca gostamos de fazer isso. Isso está longe de ser o certo", disse Creech.

Mas dê muito aos filhos e o equilíbrio mudará para direção oposta.

"Você está obtendo uma boa resposta imunológica, mas está desencadeando desnecessariamente coisas como febre, dor no braço, fadiga e agitação", disse ele.

"Se eu tomar uma vacina e meu braço doer durante o dia, minha esposa pode tirar sarro de mim, mas não é grande coisa. Vou apenas reclamar um pouco. Mas se uma criança de dois anos toma uma vacina na coxa, tem dores nas pernas tão fortes que não consegue engatinhar ou andar, e passamos a ter um problema diferente, e isso produz muito mais ansiedade. "

Observando os efeitos em crianças

Para crianças que podem estar prestes a se qualificar [para receber a vacina], o motivo pelo qual não podem receber a vacina também é, em parte, um pouco arbitrário.

"Certamente algumas crianças são maiores do que outras. Você pode ter uma criança realmente grande de 10 anos, do tamanho de uma criança de 12, onde a vacina é indicada, mas em geral trabalhamos com recomendações para certas faixas etárias e é realmente melhor seguir essa orientação ", disse Walter.

Hotez e Creech concordaram.

"Existe algo dramaticamente diferente entre um menino de 11 e um de 12? Provavelmente não. Mas você tem que traçar um limite em algum lugar e, historicamente, o FDA considera os pré-adolescentes diferentes dos adolescentes de um ponto de vista regulatório ", disse Creech.

"Por que foi tomada a decisão de fazer isso aos 12, em vez de 11, 10 ou 14, isso eu não sei. Provavelmente, isso poderia ser alterado de alguma maneira ", disse Hotez.

Outro motivo pelo qual a vacinação deste público está se movendo lentamente: as empresas querem ter certeza de que ela não tornará as crianças que tenham Covid-19 mais doentes, um cenário denominado reforço imunológico. Isso é baseado no que aconteceu na década de 1960 com uma vacina que deveria defender contra o RSV, a infecção pelo vírus sincicial respiratório, disse Hotez.

"Isso causou esse fenômeno de reforço imunológico que na verdade piorou a doença, então acho que seria uma consideração - garantir que isso não aconteça", disse ele.

Hotez disse que as empresas também querem ter certeza de que a vacina não piora uma doença pós-Covid-19 rara, mas séria, chamada síndrome inflamatória multissistêmica (MIS-C) em crianças. Em alguns casos, isso levou a anormalidades neurológicas e mortes.

"Você quer ter certeza de que a vacina não está piorando esse quadro", disse Hotez. "Isso pode levar mais tempo para convencer as empresas e os reguladores de que esse tipo de fenômeno não está ocorrendo."

Mais uma razão pela qual uma vacina para crianças mais novas está demorando: para Covid-19, era evidente que as pessoas mais velhas eram mais seriamente afetadas, então os testes da vacina começaram com elas.

"As crianças não eram consideradas de alto risco de morrer por esse vírus, o que é verdade", disse o Dr. Paul Offit, diretor do Centro de Educação em Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia e conselheiro de vacinas do FDA. "Quando estávamos tentando fazer o melhor que podíamos, o mais rápido possível, os filhos não eram uma prioridade."

Testar vacinas em adultos primeiro é uma forma muito tradicional de avaliá-las, disse Schaffner.

“Você permite que as primeiras pessoas que se voluntariam para tomar essas vacinas sejam adultos mais velhos, e depois adultos de meia-idade, e então vamos descendo a escada da idade”, disse ele. “Alguém pode perguntar: 'Puxa, por que você não faz isso simultaneamente?' Bem, você simplesmente não pode fazer muitas tentativas simultaneamente. "

Schaffner disse no final, que os pais devem ficar tranquilos quanto ao ritmo da vacinação.

“Muitos pais têm medo de dar essas vacinas às crianças e querem ter a certeza de que essas vacinas são de fato, como dizemos, seguras e eficazes”, disse ele. "As crianças mais novas precisam da mesma dose? Elas terão um espectro diferente de efeitos colaterais do que os adultos mais velhos? Todas essas coisas devem ser trabalhadas com muito cuidado, para que possamos ser transparentes e honestos quando falarmos com os pais sobre vacinar, por exemplo, uma criança de seis anos. "

Covid-19 e o risco para crianças

Embora muito mais rara do que em adultos, as crianças podem sofrer, ser hospitalizadas e morrer de coronavírus. Além disso, esse vírus faz algo que outros vírus que têm vacinas, como varicela e sarampo, não fazem; pode causar efeitos colaterais de longo prazo - fenômenos pós-infecção como MIS-C e também Covid-19 longa, em que os sintomas podem se arrastar por meses.

Enquanto o mundo espera por uma vacina, crianças pequenas não vacinadas permanecem vulneráveis.

"As crianças continuarão a ser expostas. As crianças continuarão a transmitir, embora pareça, pelo menos com base em nossa experiência até agora na pandemia, que podem ser menos eficientes nisso do que os adultos", disse Creech.

Isso deixou Offit preocupado com o próximo ano letivo, quando as crianças voltarão às salas de aula não vacinadas.

“Se eu tivesse um filho de 10 e 8 anos, ficaria muito nervoso se o mandasse de volta à escola”, disse ele. "Eu certamente gostaria que eles estivessem usando máscaras e distanciados socialmente tanto quanto possível, mas eu também teria que esperar que a escola fizesse isso - que todos na escola fizessem isso - e isso é pedir muito. Acho que em muitas escolas isso não acontecerá. "

Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças atualizaram na semana passada a orientação para o combate à Covid-19 nas escolas para enfatizar que as aulas presenciais são uma prioridade no outono, independentemente de todas as medidas de mitigação serem implementadas. A vacinação, disse, é uma medida chave de segurança, mas mais camadas de proteção - como máscaras e distanciamento social - também podem ser apropriadas.

Hotez disse que as preocupações dos pais podem variar dependendo de onde seus filhos frequentam a escola no país.

"Se você estiver em Vermont e Massachusetts, ou no Nordeste ou em partes da Costa Oeste, onde uma porcentagem tão alta de adultos e adolescentes estão vacinados, você terá o benefício colateral de parar ou desacelerar a transmissão para que até as crianças possam voltar para a escola ", disse ele.

Mas Hotez disse que esse não é o caso em outras partes do país, como Tennessee, Alabama, Mississippi, Louisiana e Texas, onde a variante Delta está se acelerando entre as populações adultas que permanecem significativamente sub vacinadas.

"Haverá muita transmissão nas escolas", disse ele. "Sabemos que isso pode não correr bem no outono."

Creech estava mais otimista em relação ao ano letivo que se aproxima.

“Temos alguma experiência do ano passado, quando a pandemia se alastrou e em algumas áreas de nosso país as escolas foram reabertas. Acho que podemos fazer aula presencial de uma forma que seja muito razoável para as crianças”, disse ele. "Sabemos que existem algumas estratégias de mitigação de risco que podemos implantar."

No momento, a melhor maneira de proteger as crianças que não podem ser vacinadas é vacinar todas as pessoas da comunidade.

"Não consigo pensar em uma estratégia maior do que receber uma vacina no braço para proteger não apenas a mim, mas aqueles ao meu redor, particularmente aqueles que são mais vulneráveis", disse Creech. "Se não podemos ficar entusiasmados em proteger os vulneráveis ??ao nosso redor e as crianças ao nosso redor, teremos problemas maiores do que a pandemia."

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)