Cidade de SP pede à Saúde antecipação de dose de reforço para profissionais da educação

Pedido ocorre em meio a expectativas de retorno 100% presencial dos alunos às salas de aula

Julyanne Jucáda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O secretário de Saúde da cidade de São Paulo, Edson Aparecido, confirmou à CNN que a gestão municipal pediu ao Ministério da Saúde a antecipação da dose de reforço aos profissionais da Educação.

A Secretaria Municipal de Saúde e a Prefeitura de São Paulo confirmaram a solicitação, feita à pasta federal “para incluir profissionais da área de educação para a aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19”.

A solicitação ocorre após o retorno obrigatório dos alunos da rede pública estadual às salas de aula, conforme determinado pelo governo do estado na última semana.

Doses adicionais disponíveis

Atualmente, estão aptos para receberem a dose de reforço idosos acima de 60 anos, profissionais da saúde, pessoas com mais de 18 anos que apresentam alto grau de imunossupressão, como transplantados, pacientes com câncer e pessoas vivendo com HIV descontrolado.

Para profissionais de saúde, há a necessidade de comprovar a conclusão do esquema vacinal há pelo menos 6 meses. Para imunossuprimidos, a segunda dose precisa ter sido recebida há pelo menos 21 dias.

Estão sendo utilizados imunizantes da Pfizer, Janssen ou AstraZeneca. As doses da CoronaVac serão destinadas apenas para 1ª e 2ª dose na capital paulista.

dose adicional está disponível em todas as 469 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), além de 21 megapostos, 19 serviços de drive-thrus, três centros de saúde e postos volantes da capital paulista.

Para a vacinação, é necessário apresentar documento de identificação, comprovante de vacinação físico ou digital e comprovante de endereço do município, para os casos em que as doses anteriores não foram realizadas na cidade.

*Com informações de Lucas Rocha e Giovanna Galvani, da CNN

Mais Recentes da CNN