Saiba quais alimentos podem melhorar ou piorar os sintomas da asma

A doença, que se caracteriza por uma inflamação crônica das vias aéreas, não tem cura, mas pode ser controlada com a ajuda de uma dieta saudável

Alimentação saudável pode ajudar a controlar os sintomas da asma
Alimentação saudável pode ajudar a controlar os sintomas da asma Foto: Getty Images

Camila Neumam, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O consumo da dieta mediterrânea, composta por verduras, legumes e frutas frescas, grãos integrais, peixes e azeite de oliva, além de proporcionar uma vida saudável, pode ajudar no controle da asma. Isso acontece porque esses alimentos são ricos em antioxidantes, substâncias capazes de proteger as células contra os efeitos dos radicais livres – moléculas tóxicas produzidas pelo organismo, que podem causar inflamações e doenças. 

A asma é uma inflamação crônica das vias aéreas, que se desenvolve de forma leve, moderada ou grave e geralmente é controlada com broncodilatadores. Os sintomas vão desde tosse seca, chiado no peito, respiração rápida e curta, até dor no peito e dificuldade para respirar.  

Evidências científicas mostram que, para evitar o agravamento do padrão inflamatório da doença, ter uma alimentação equilibrada e, de preferência, rica em alimentos frescos e antioxidantes, pode fazer toda diferença. Por esse motivo, as Diretrizes da Iniciativa Global para Asma (GINA, na sigla em inglês) já incluem entre suas recomendações a prática de uma dieta saudável para a prevenção primária da doença.

No Dia Mundial de Controle da Asma, comemorado em 21 de junho, a nutricionista Flavia Montanari, especialista em nutrição materno infantil, e o nutrólogo Vinicius Aguilera, responsável técnico pela clínica Aguilera de Nutrição, indicam alimentos que devem ser incluídos na dieta ou evitados por aqueles que convivem com a doença.

Alimentos recomendados

1-Ricos em ômega 3

Exemplos: salmão e demais peixes, azeite de oliva, sementes e oleaginosas (castanhas, amêndoas, linhaça moída ou em grão), ovo.

Benefícios: o ômega 3 inibe a produção de prostaglandinas, substâncias responsáveis pelo estreitamento dos brônquios e que causam a sensação de falta de ar.

2-Folhas verde escuras

Exemplos: couve, espinafre, agrião, rúcula

Benefícios: são ricas em magnésio, que promove o relaxamento muscular, facilitando a respiração.

3- Oleaginosas

Exemplos: castanhas, amêndoas, linhaça.

Benefícios: além de serem ricas em ômega 3, também contêm selênio (sobretudo a castanha de caju), que ajuda a fortalecer o sistema imunológico.

4- Ricos em licopeno

Exemplos: tomate, mamão, pitanga, repolho roxo.

Benefícios: o licopeno é um antioxidante, reforça o sistema imunológico. Tê-lo na dieta ajuda a minimizar a inflamação nos pulmões e evitar o chiado no peito.

5- Ricos em vitamina C

Exemplos: frutas cítricas, como laranja, acerola e kiwi e couve.

Benefícios: a vitamina C controla a liberação de histamina, que causa o processo inflamatório da asma

6- Ricos em vitamina A

Exemplos: ovos, talos de verduras, legumes amarelos e vermelhos, como cenoura e pimentões.

Benefícios: alimentos que contêm vitamina A são considerados anti-inflamatórios, reforçam o sistema imunológico e evitam a piora de processos inflamatórios. Em pessoas com asma, também podem ajudar a minimizar o chiado no peito.

7- Ricos em vitamina D

Exemplos: gema de ovo, fígado, salmão, cogumelos (não os in conserva)

Benefícios: alimentos que contêm vitamina D também são antioxidantes, ajudam a reforçar a imunidade e evitar chiado no peito e falta de ar.

Alimentos que devem ser evitados

Comidas fritas, gordurosas e industrializadas tendem a aumentar a incidência de radicais livres, que se tornam tóxicos quando produzidos em grande quantidade. Com isso, o sistema imunológico fica enfraquecido e o organismo fica mais exposto a inflamações ou a piora de quadros já existentes, como a asma. Os especialistas recomendam evitar:

1- Embutidos: salsicha, peito de peru, presunto.

2- Ultraprocessados: salgadinhos, bolachas recheadas, suco de caixinha, alimentos vendidos em redes de fast food.

3- Açúcar refinado: seu consumo exagerado aumenta a produção de radicais livres, além de causar sobrepeso e obesidade, fatores que desencadeiam processos inflamatórios no organismo e podem causar diabetes. O ideal é consumir versões menos processadas, como açúcar mascavo ou demerara – em pequenas quantidades.

4- Sal refinado: ingeri-lo é importante, pois o sal que usamos é iodado. Previne contra a deficiência de iodo no organismo, que pode causar o bócio endêmico (aumento da tireoide). No entanto, em excesso também se torna um alimento inflamatório, além de aumentar a chance de causar pressão alta, comorbidade que pode impactar ainda mais no sistema imunológico e piorar a inflamação já causada pela asma.

Mais Recentes da CNN