Vacina: há algum grupo que não pode receber a imunização contra a Covid-19?

Imunologista explica que as expectativas são que quase todos possam se imunizar sem grandes problemas

A expectativa é de que a grande maioria das pessoas possa tomar a vacina contra a Covid-19 sem grandes problemas
A expectativa é de que a grande maioria das pessoas possa tomar a vacina contra a Covid-19 sem grandes problemas Foto: Freepik

Luana Franzão*

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A pandemia da Covid-19 gerou uma corrida global pela vacina contra o vírus. Laboratórios do mundo inteiro estão desenvolvendo pesquisas amplas e com uma rapidez inédita para alcançar uma estratégia que leve imunidade ao máximo de pessoas.

Sobram dúvidas sobre as vacinas em potencial. A incerteza é natural, afinal o processo mais rápido de produção de uma vacina até então havia levado cinco anos.

Todos estão a espera da imunização eficiente, mas há alguém que não possa tomar a vacina quando ela for aprovada?

Segundo Gustavo Cabral, imunologista que coordena um projeto de vacina nacional que está sendo desenvolvido pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), é provável que a grande maioria das pessoas possa receber a imunização.

“A ideia é que a vacina seja global, mas, inicialmente, é precavido, dependendo da formulação, direcionar os testes para alguns grupos”, explicou.

Leia também:
Uma pessoa pode tomar mais de uma vacina contra a Covid-19?
‘Mais uma oportunidade’, diz infectologista sobre aval de testes com vacina
Quem vai receber a vacina contra a Covid-19 primeiro quando ela for aprovada?

Ele exemplificou que alguns testes estão sendo realizados com voluntários entre 18 e 55 anos, evitando a aplicação em pessoas mais velhas pelo desconhecimento de todos os efeitos da fórmula. Contudo, há também vacinas sendo testadas em pessoas de até 70 anos. 

Coronavírus
Coronavírus
Foto: Pixabay

“Podem existir casos individuais, de pessoas que não possam tomar por algum motivo independente, mas apenas um médico pode dar esse veredito”, disse Cabral.

Mais Recentes da CNN