Restaurante Altar Cozinha Ancestral é declarado patrimônio do Recife

Casa no bairro de Santo Amaro é liderada pela chef Carmem Virginia e serve uma culinária pautada em sabores afro-brasileiros

Moqueca Mista do Altar Cozinha Ancestral, com peixe e camarão acompanhados de pirão e arroz
Moqueca Mista do Altar Cozinha Ancestral, com peixe e camarão acompanhados de pirão e arroz Andréa Rêgo Barros/Reprodução/@altarcozinhaancestral

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia

O restaurante Altar Cozinha Ancestral foi declarado Patrimônio Cultural e Gastronômico do Recife. O título foi dado por meio de lei municipal sancionada em 19 de junho. Fundado em 2014 no bairro de Santo Amaro, o restaurante é liderado pela chef Carmem Virginia, que serve na casa uma culinária ancestral com sabores afro-brasileiros. 

“Sendo uma mulher preta, recifense, pernambucana e praticante do candomblé, vejo este reconhecimento como uma homenagem maravilhosa às nossas raízes, aos nossos ancestrais e à nossa rica cultura gastronômica,” afirmou Carmem, que desde os sete anos é responsável pelos pratos dos rituais de um terreiro no Recife.

Pelas redes sociais, a chef também comemorou o título. “Bem no ano que fizemos 10 anos, é um baita presente para todos nós!”, escreveu no Instagram.

A Lei Municipal 19.259 entrou em vigor na data da publicação e pode ser conferida no Diário Oficial do Recife.

O Altar Cozinha Ancestral

Interior do Altar Cozinha Ancestral, no Recife
Interior do Altar Cozinha Ancestral, situado em uma casa no bairro de Santo Amaro / Reprodução/Instagram/Reprodução/@altarcozinhaancestral

O restaurante fica em uma casa colorida, a qual é destacada por uma decoração que incorpora símbolos da cultura afro-brasileira e nordestina, com imagens de santos, esculturas de orixás e um baobá no centro do salão.

Os pratos que saem da cozinha respeitam tradições culinárias passadas de geração em geração. Um dos destaques do menu é a galinha de cabidela da avó da chef, que chega à mesa com fava, farofa de bolão e batata doce salteada na manteiga de alecrim.

O peixe à inajá, criação em homenagem à mãe de Dona Carmem, também é destaque: chega com moqueca, bolinho de feijão e farinha, acaçá recheado com queijo coalho e banana com camarões.

Em 2020, no auge da pandemia de Covid-19, a casa entrou para a lista “El Espíritu de América Latina”. do Latin America’s 50 Best Restaurants. A lista reuniu uma coleção de restaurantes que se esforçaram durante a pandemia e que apoiaram suas comunidades, transformando-se em referências em suas regiões.  O Banzeiro, em Manaus; o Capim Santo, em Trancoso; o Aconchego Carioca, no Rio; o Mãos de Maria, em São Paulo; e o Ori, em Salvador, também foram selecionados.

No ano passado, após nove anos de abertura da casa matriz em Recife, o Altar Cozinha Ancestral inaugurou uma unidade na Vila Madalena, em São Paulo, próximo ao Beco do Batman. A empreitada é uma aposta de Carmem Virginia junto da cantora Luísa Sonza e da empresária Fátima Pissarra.