Abertura de exposição “Monet À Beira d’Água” é adiada em São Paulo

Organizadores informaram que as chuvas atrasaram a chegada de equipamentos; evento começa sábado (22)

Divulgação

CNN Viagem & Gastronomia São Paulo

Os organizadores da exposição “Monet À Beira d’Água”, que abriria nesta sexta-feira (21) no Parque Villa-Lobos anunciaram nesta quinta-feira (20) que a abertura está adiada. O evento deve começar no sábado (22), de acordo com o aviso, divulgado nas redes sociais da mostra.

“Devido às fortes chuvas que atingiram São Paulo nas últimas semanas, o que dificultou a chegada de equipamentos e a montagem da estrutura, a exposição imersiva ‘Monet à Beira D’Água’ adiou a data de estreia em São Paulo”, disse o comunicado.

Projetadas das paredes ao chão, as 285 reproduções licenciadas dos quadros de Monet se apresentam em sequências de animações digitais em 2D e 3D, formando diferentes narrativas audiovisuais. A exposição está sendo montada em uma estrutura de 4 mil m² que promete “mergulhar” os visitantes nas obras do pintor.

A ideia é dar aos visitantes a sensação de estar dentro das obras do artista, e os movimentos das pinturas originalmente estáticas garantem o dinamismo da mostra.

As projeções em 360º contam com efeitos visuais, animações artísticas, trilha sonora original, sistema de som tridimensional em alta definição e projetores de 12 mil lúmens, que levam os pagantes a um roteiro à beira d’água, temática que rege a exposição.

Primeira experiência imersiva criada pela start-up brasileira MIRA (Museum of Roaming Arts), “Monet À Beira d’Água” é baseada na proposta de Claude Monet para as Salas das Ninféias, no Musée de l’Orangerie, que era o de criar uma ilusão de um todo infinito, de água sem horizonte ou margem.

Vendida como “a maior exposição imersiva do artista”, a experiência já comercializou 45 mil ingressos antecipados desde o dia 25 de agosto – eles continuam disponíveis no site oficial. Os ingressos comprados antecipadamente custam R$ 65. Comprados após a abertura os ingressos custam R$ 80.

Expertise brasileira

A ideia da exposição é celebrar os 180 anos do nascimento de Monet de uma forma mais tecnológica. De acordo com o site oficial da MIRA, a mostra imersiva começaria, na verdade, nos Estados Unidos a partir de dezembro do ano passado, com estreia em São Francisco, antes de desembarcar por aqui.

Com início no Rio em março deste ano, o desenvolvimento da exposição foi feito inteiramente com expertise brasileira, e, ao todo, mais de 60 profissionais ajudaram a colocar o espetáculo em funcionamento.

Foram cerca de 28 meses de produção e necessários 20 artistas para transformar as pinturas de Monet em escalas de paisagem real.

Naum Simão, curador da exposição, revela que a pesquisa de obras foi feita no catálogo raisonné, espécie de documentação de toda a obra do artista contendo imagem, título, data e acervo.

Cerca de 400 obras foram selecionadas no primeiro momento seguindo a temática de viagens e paisagens à beira d’água.

A escolha final resumiu-se a 285 obras, as quais foram pintadas em cinco países e 36 cidades diferentes. França, Itália, Inglaterra, Noruega e Holanda são os países que aparecem nos quadros, assim como Paris, Argenteuil, Giverny, Le Havre, Veneza, Londres, Amsterdã e Christiania são algumas das cidades retratadas.

Batizada de “Monet Le Rêve”, a exposição fica em cartaz até o fim de novembro e reúne cerca de 150 obras projetadas, em que a ideia é que sejam criados ambientes instagramáveis. Confira mais detalhes na página oficial do evento.

Monet À Beira d’Água
Parque Villa-Lobos, Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 1365 – Alto dos Pinheiros, São Paulo – SP
Início da temporada em 21 de outubro com previsão de encerramento em março
De terça a domingo em diversas sessões, das 10h às 21h15 (duração aproximada de 65 minutos cada sessão)
Ingressos a partir de R$65 via site.