Aeroporto de Brasília é o único com ligação para as 26 capitais brasileiras

Terminal aéreo foi inaugurado antes mesmo da capital federal e hoje soma movimentação de mais de 14,8 milhões de passageiros para destinos nacionais e internacionais

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia Brasília

Em 1957, antes mesmo da inauguração oficial da capital federal, o Aeroporto de Brasília já funcionava com um terminal de madeira e uma pista de pouso de terra batida. Foram cerca de dois mil passageiros movimentados no primeiro ano de operação.

Quase sete décadas depois, o aeroporto recebe hoje mais de 14,8 milhões de passageiros em um terminal de 120 mil m² e se destaca como o terceiro mais movimentado do país. Se em maio de 1957 ele foi aberto oficialmente com um voo da antiga Pan Am para Nova York, atualmente ele totaliza 38 destinos nacionais e seis internacionais.

Importante elo para o desenvolvimento de Brasília desde seu nascimento, o aeroporto internacional, operado há mais de uma década pela Inframerica, também é cheio de arte, espaços de convivência e curiosidades – assim como a própria capital.

Ele é o único do Brasil com ligação para todas as 26 capitais brasileiras e é conectado com os seguintes destinos internacionais: Buenos Aires (Argentina); Lima (Peru); Cidade do Panamá (Panamá); Lisboa (Portugal) e Miami e Orlando (Estados Unidos). A partir de 1º de junho, a cidade de Santiago, no Chile, também será conectada com voos regulares e sazonais.

Primórdios e avanços

O aeroporto, que também leva o nome do ex-presidente Juscelino Kubitschek, foi instituído em 3 de maio de 1957, cerca de três anos antes da grande inauguração da inédita capital modernista do Brasil e no mesmo dia da primeira missa realizada na cidade. A cerimônia religiosa ocorreu a 10 km dali, na Praça do Cruzeiro.

Segundo um documento de 1957 da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) disponibilizado pela Biblioteca do Senado Federal, 15 mil pessoas acompanharam a celebração, vindas de todos os cantos do país, muitas delas de avião. Políticos, jornalistas, expoentes do comércio e da indústria, membros do clero e figuras sociais desceram em Brasília em mais de 20 aeronaves no aeroporto.

Ele era simples: havia um barracão de madeira que comportava apenas algumas centenas de pessoas e uma pista de terra, sem hangares, esteiras ou refrigeração.

O cenário hoje é outro: são duas pistas que têm entre 3,2 e 3,3 km de extensão que funcionam de forma simultânea e paralela, fato inédito no país, assim como 300 mil m² de pátio para aeronaves, 51 portões de embarque e cinco salas VIP.

Em 2023 foram registrados 107 mil pousos e decolagens e a pontualidade garantiu ao aeroporto o quarto lugar entre os aeroportos mais pontuais do mundo na categoria de médio porte, ficando em primeiro lugar no Brasil, de acordo com levantamento de perfomance da Cirium, empresa de dados e análises da aviação.

O aeroporto é o equipamento mais importante para o turismo da cidade. Somos a primeira impressão que se faz dela

Rogério Coimbra, Diretor comercial e de assuntos corporativos da Inframerica

A conectividade internacional também não fica de fora. Em 2023 o aeroporto foi o que mais movimentou passageiros para o exterior fora do eixo Rio-São Paulo, com fluxo de embarques e desembarques de 560 mil pessoas e 3.528 pousos e decolagens.

Arte de Athos Bulcão

Por ser uma das principais portas de entrada da capital nacional, não é à toa que a arte, tão espalhada por Brasília, é um dos componentes do aeroporto. Três painéis de ninguém menos do que o artista Athos Bulcão, cujos azulejos gráficos moldam a identidade da capital, estão em diferentes locais de embarque.

A mais recente foi inaugurada em 2019 e trata-se de um painel em chapas de aço perfuradas e dobradas com mais de 90 metros de comprimento. Elas foram pintadas com tinta automotiva nas cores azul claro, verde, amarelo, rosa claro e marrom e ficam no corredor da sala de embarque doméstico.

Interessante é que a obra estava originalmente no antigo terraço do aeroporto e depois passou para o corredor de acesso à Sala VIP até ganhar o novo local – o valor do remanejamento foi de R$ 430 mil e levou dois meses para ser concluído.

Além da obra, outros dois painéis de Bulcão estão no aeroporto, ambos também tombados. Um deles, de azulejos esmaltados em padrão geométrico nas cores amarelo e laranja, fica no embarque internacional; o outro, verde e azul, fica no embarque doméstico.

Curiosidades do aeroporto e os “achados e perdidos”

Exterior do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Brasília
Exterior do terminal de passageiros; aeroporto possui complexo com bares, restaurantes e faixas próprias de carros de aplicativo / Divulgação

Se do lado de dentro a arte aparece pelos corredores, do lado de fora um complexo em frente ao terminal funciona como uma verdadeira área de convivência repleta de bares, restaurantes, cafés e locais para aguardar carros de aplicativo em faixas separadas das vias de embarque e desembarque. Parquinho, mural e até minimercado completam o espaço.

Para esperar o voo, passageiros têm à disposição espaços gratuitos de jogos, com diversão garantida junto de fliperamas e pebolim em quatro pontos espalhados nas salas de embarque do terminal.

Por demanda popular, até uma loja própria foi criada com produtinhos além dos souvenirs: a AeroBSB Store vende itens com a marca do aeroporto para os apaixonados por aviação, incluindo camisetas, bottons, canecas, almofadas e meias.

Desde 25 de março, quem necessitar dos serviços do Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto para os Estados Unidos (CASV) encontra a unidade no mezanino do terminal aéreo – confira aqui um passo a passo para renovar o visto americano.

E o aeroporto faz um alerta: seja em viagens para os Estados Unidos ou mesmo dentro do Brasil, não esqueça seus pertences. Isso porque os passageiros esqueceram cerca de 9.447 objetos durante o ano de 2023 no terminal aéreo.

Documentos pessoais, cartões bancários, roupas e acessórios femininos, livros, óculos e travesseiros de pescoço são os campeões do setor de Achados e Perdidos, a maioria deixada na área de raio-x. Aqueles que perderem um objeto no Aeroporto de Brasília têm até 90 dias para reaver o pertence, caso contrário ele é doado para instituições de caridade, salvo documentos (entregues para os Correios) e cartões e cosméticos (descartados após alguns dias).