Bonaire: por que tantos visitantes querem se mudar para ilha secreta holandesa

Ilha exibe um compromisso comunitário com a conservação, tem um santuário de burros e flamingos, um grupo de conservação de tartarugas marinhas, uma fundação de renovação de recifes de corais e muito mais

Danielle Braffda CNN

Basta uma visita para convencer os visitantes a fazer as malas e se mudar para Bonaire de vez. Susan Davis viveu em Chicago toda a sua vida antes de fazer uma viagem para Bonaire em 1988. Apenas quatro anos depois, Davis deu adeus à sua vida americana e comprou uma passagem só de ida para a ilha caribenha holandesa, onde ela agora trabalha como guia especializada em aves.

“Eu me apaixonei por Bonaire”, diz Davis, agora com mais de 60 anos, sobre sua visita inicial. “No dia em que chegou a hora de voltar para casa, lembro que sentei na cama do hotel e disse a mim mesma: ‘Um dia quero morar aqui’”.

Ela não está sozinha. Na década de 1960, Bonaire tinha uma população de pouco menos de 6 mil habitantes, mais que dobrou em 2010, chegando a 15 mil. Hoje, cerca de 23 mil pessoas chamam Bonaire de lar, de acordo com a Statistics Netherlands (CBS), que fornece informações sobre a Holanda há mais de um século.

“Não é difícil para um cidadão americano se mudar para a ilha, mas é preciso paciência, pois é um procedimento burocrático padrão”, diz Rolando Marin, oficial de informações da Tourism Corporation Bonaire. “A vibração positiva e pacífica da ilha atrai os turistas”.

Mais que um destino de mergulho espetacular

Primeiro, um pouco de contexto. Bonaire, pronuncia-se “Bone-air”, está localizada na costa da Venezuela e é uma das três ilhas do ABC: Aruba, Bonaire e Curaçao. Bonaire é um município especial da Holanda; Aruba e Curaçao são países autônomos do Reino dos Países Baixos. Bonaire tem apenas 287 quilômetros quadrados e você pode contorná-la em três ou quatro horas.

Bonaire é conhecida pelo mergulho, mas a menos que você seja holandês ou um mergulhador ávido, provavelmente não pensou muito na ilha. Mas é mais do que o mergulho que convenceu os recém-chegados a abandonar suas vidas anteriores e se mudar para uma ilha pouco povoada.

Bonaire é o paraíso do turismo de mergulho / Tourism Corporation Bonaire

É um voo direto de três horas de Miami até um minúsculo aeroporto e, em seguida, 10 minutos de carro até a capital da ilha, Kralendijk, onde se concentra a maioria dos resorts. No Delfins Beach Resort, os quartos são equipados com mini-cozinhas, já que a maioria dos hóspedes tem estadias prolongadas de algumas semanas ou mais. Também há casas de aluguel via Airbnb disponíveis, e muitas custam menos de US$ 100 (aproximadamente R$ 473) por noite.

Nos restaurantes, pescados locais, como atum, barracuda, mahi-mahi e bonefish, são destaque nos cardápios e a sustentabilidade é enfatizada.

O muito popular caminhão de comida Cactus Blue Bonaire é um atrativo para os habitantes locais, que fazem fila na beira da estrada na hora do almoço para pegar um wrap de peixe-leão. O peixe-leão é uma espécie invasora que os mergulhadores capturam diariamente para manter sua população sob controle.

Uma vista de Kralendijk, capital de Bonaire, de um navio de cruzeiro / Greg Balfour Evans/Alamy Stock Photo

O food truck, que serve almoço nos dias de semana próximo a um ponto de mergulho nos arredores do aeroporto, usa pratos reutilizáveis, junto com garrafas de vidro com suco de frutas frescas que os clientes devem devolver.

A ilha exibe um compromisso comunitário com a conservação. Eles têm um santuário de burros, um grupo de conservação de tartarugas marinhas, um santuário de flamingos, uma fundação de renovação de recifes de corais e muito mais. As autoridades estão tentando livrar toda a ilha do plástico, e muitos plásticos descartáveis – como canudos e talheres de plástico – foram proibidos em 2022.

Beleza natural protegida

Bonaire sempre foi a ilha menos desenvolvida entre as ilhas do ABC, e um acordo de terras em 1969 ajudou a evitar o desenvolvimento futuro com o estabelecimento de um parque nacional. “Boy” Herrera, o proprietário da antiga Washington Plantation, fez um acordo com o governo para assumir a terra após sua morte com o único propósito de mantê-la como um santuário da natureza, explica Annette Emerenciana, porta-voz da Tourism Corporation Bonaire.

Washington Slagbaai National Park é uma reserva ecológica na parte noroeste de Bonaire / johnandersonphoto/iStockphoto/Getty Images

Outra plantação foi adicionada à área 10 anos depois. O Parque Nacional Washington Slagbaai cobre pouco menos de 14 mil acres.

Então, em 1999, o governo de Bonaire comprou Klein Bonaire (uma ilha desabitada próxima à costa) do setor privado por US$ 4,6 milhões ( R$ 21,7 milhões) com o acordo de que ela permaneceria uma ilha naturalmente preservada. O desenvolvimento é proibido. É o lar de locais de nidificação de tartarugas e é acessível por táxi aquático ou passeios de barco.

Harry Schoffelen, coproprietário do caminhão de comida Cactus Blue Bonaire, visitou Bonaire holandesa em 2010, quando estava em uma encruzilhada em sua vida, e nunca mais saiu.

“O que há para não amar?”, diz Schoffelen, que está com mais de 50 anos. “Vimos isso tantas vezes – as pessoas chegam pela primeira vez e já estão pensando em comprar uma casa aqui. É incompreensível, mas você se apaixona”.

Ilha holandesa de Bonaire tem um compromisso comunitário com a conservação e conta com santuário de burros e flamingos / Tourism Corporation Bonaire

Bonaire é considerada segura; o Departamento de Estado dos EUA coloca a ilha em sua categoria de risco de viagem mais baixa, Nível 1, incentivando os visitantes a tomarem as precauções normais.

O clima é quente, as escolas públicas são excelentes e os residentes recebem assistência médica gratuita. Não há semáforos, cabras e flamingos circulam livremente, as praias são lindas e a moradia é relativamente acessível para alguns residentes que chegam.

Mudança para a ilha

É por isso que Kiki Multem decidiu se mudar para Bonaire depois de uma visita de cinco dias em 2021.

“Bonaire é super tranquila e descontraída”, diz Multem, uma blogueira de viagens de 30 e poucos anos. “As pessoas são extremamente amigáveis e eu realmente encontrei paz aqui. Viver a vida na ilha me mudou muito como pessoa no bom sentido”.

Flamingos e outros animais selvagens fazem da ilha um lar / Tourism Corporation Bonaire

Talvez uma das razões pelas quais tantas pessoas abandonam suas vidas anteriores para se mudar para Bonaire seja a relativa facilidade de permanecer por um longo período. Se você possui um passaporte holandês ou americano, pode permanecer em Bonaire seis meses por ano sem autorização de residência. Muitas outras nacionalidades podem permanecer por até 90 dias por vez sem uma autorização de residência.

Se você possui um passaporte holandês ou americano e deseja permanecer por mais de seis meses ou trabalhar na ilha por um período superior a 90 dias, deve solicitar uma permissão. Não há restrições para compradores estrangeiros de casas em Bonaire. Há mais detalhes neste site do governo sobre os requisitos para várias situações de vida, incluindo se aposentar na ilha.

Morar em Bonaire exige um ajuste, embora eles recebam entregas da Amazon.

Quando Davis se mudou para a ilha, havia escassez de suprimentos, de mantimentos a itens de ferragens e decoração para a casa. Ela se lembra de ficar feliz se encontrasse cogumelos no supermercado. E os preços da maioria dos itens são mais altos do que nos Estados Unidos ou na Europa devido aos custos de remessa e taxas de importação.

E, no entanto, ela mora em uma ilha e acaricia burros enquanto eles vagam pelas ruas. As pessoas são simpáticas, ela vai à praia todos os dias e o maracujá está à disposição. Quando Davis teve um pneu furado, outros motoristas pararam para ajudar antes mesmo que ela tivesse a chance de sair do carro.

“Bonaire tem uma certa magia”, diz. “Quando as pessoas chegam pela primeira vez, veem uma ilha encantadora com belos mares, terras e pessoas amigáveis. Mas quando elas passam uma semana aqui, a magia entra neles: eles sentem a atração da ilha”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original