Conheça Richmond, capital criativa nos EUA que merece mais atenção

Cidade tem museus de primeira linha, bairros intrigantes e é um ótimo local para jantar, beber e passear ao ar livre

O rio James oferece belas paisagens e recreação ao ar livre
O rio James oferece belas paisagens e recreação ao ar livre Chris Johnson/Courtesy Richmond Region Tourism

Kari Smithda CNN

Às margens do rio James, Richmond, na Virgínia, nos Estados Unidos, é uma cidade dinâmica que merece mais atenção turística do que a capital do país, Washington D.C., de onde fica a duas horas ao norte.

Richmond — ou “RVA”, como os locais a chamam — tem museus de primeira linha e bairros intrigantes, e é um ótimo local para jantar, beber e passear ao ar livre. Há uma cena artística impressionante e uma programação de festivais quase o ano todo.

A cidade está analisando atentamente a sua história complicada — já que foi a capital da Confederação durante a Guerra Civil e costumava atuar no comércio de escravos — e trabalhando em formas de contar a trajetória completa dela.

Agora, é um ótimo momento para os visitantes verem como a capital da Virgínia evoluiu.

Comidas e bebidas requintadas

Um cenário gastronômico próspero é obrigatório em qualquer cidade interessante dos EUA — e Richmond oferece sabores diversos e uma alta concentração de restaurantes comandados por pessoas negras.

O chef Michael Lindsey e sua esposa, Kimberly Love-Lindsey, abriram seu primeiro restaurante – Lillie Pearl – em 2020, em plena pandemia de Covid-19. O restaurante combina ingredientes tradicionais da África Ocidental, culinária sul-afro-americana e uma variedade de influências globais.

Lindsey Food Group seguiu Lillie Pearl, abrindo duas lojas de frango frito Buttermilk and Honey, e adicionou vários outros restaurantes ao portfólio, incluindo o moderno Chophouse ML Steak no centro e em Chesterfield. O restaurante Kali Love, um conceito de fusão da Califórnia, foi inaugurado em junho.

A culinária global é evidente em toda a cidade, desde os deliciosos tacos de birria no Maya Latin Kitchen, até os restaurantes afegãos no The Mantu.

A empresa de turismo Discover Richmond Tours tem vários passeios gastronômicos que oferecem uma ótima maneira de ampliar suas opções e explorar os bairros da cidade ao mesmo tempo.

O cenário das bebidas também está crescendo.

Scott Jones, coproprietário da Triple Crossing Beer, fez parte da ascensão de Richmond como destino cervejeiro, em parte graças à extensa Beer Trail da cidade, que apresenta mais de 30 cervejarias artesanais. Desde a abertura do primeiro local, em 2014, Jones testemunhou uma transformação da cultura local.

“O cenário gastronômico, artístico, a música e a cerveja têm uma relação simbiótica e, ao longo dos anos, se fundiram para ajudar a fazer de Richmond um lugar para as pessoas visitarem”, diz ele.

Bebidas
O mercado de bebidas também está crescendo em Richmond / Foto: Michael Simon Photography/Courtesy Richmond Region Tourism via CNN Newsource

“Estabelecemos um alto padrão para as cervejarias”, diz a colunista de cerveja Annie Tobey, autora de “100 coisas para fazer em Richmond antes de morrer”. “A RVA tem tantas cervejarias de qualidade que representam uma ampla variedade de estilos.”

Scott’s Addition, um bairro moderno que foi considerado a “capital das bebidas artesanais” de Richmond, abriga uma coleção de cervejarias, incluindo Väsen e The Veil. Richmond é o lar de mais de 30 cervejarias.

A região ao redor também abriga inúmeras vinícolas. Para goles sofisticados sem agitação, há o Floris, o novo salão de chá personalizado de Richmond, no renomado Museu de Belas Artes da Virgínia. (Entre os destaques do museu: a maior coleção de ovos Fabergé fora da Rússia).

E para quem gosta de café, o Urban Hang Suite serve mais do que um café com leite comum. Kelli Lemon, coproprietária do Richmond Black Restaurant Experience, abriu o café há seis anos como um espaço de encontro comunitário e networking. A empresa de Lemon tem como objetivo apoiar marcas culinárias de propriedade de negros.

Bairros movimentados e cheios de história

Bairros animados constituem o centro de Richmond, cada um contribuindo para o caráter da cidade. Richmond também abriga mais de 150 murais, parte de uma explosão de arte de rua dinâmica pela cidade.

Conhecida por suas ruas de paralelepípedos, Shockoe Slip, no sudeste do centro da cidade, oferece restaurantes contemporâneos e arquitetura histórica delimitada ao sul pelo rio James. A leste, um dos bairros mais antigos de Richmond, Shockoe Bottom, guarda séculos de história que a cidade está trabalhando para destacar.

Hoje, os bairros oferecem uma variedade de bares, locais de entretenimento e históricos, incluindo um museu dedicado ao ex-residente de Richmond, Edgar Allan Poe, bem como marcadores ao longo da Richmond Slave Trail, uma rota de caminhada autoguiada que conta a história sombria da escravidão na cidade.

O centro da cidade abriga edifícios comerciais e governamentais, incluindo o Capitólio do Estado da Virgínia e o Museu da Guerra Civil Americana. Um dos três locais do museu, o da Guerra Civil Americana no histórico Tredegar, apresenta atualmente “A Crise Iminente”, uma exposição que explora a divisão dos Estados Unidos à beira da Guerra Civil.

São oferecidas visitas guiadas à Casa Branca da Confederação de 1818, outra unidade do museu localizada no bairro de Court End. Embora a história da Guerra Civil de Richmond seja bem conhecida, a cidade também desempenhou um papel na Guerra Revolucionária Americana.

Patrick Henry, um dos fundadores e primeiro governador pós-colonial da Virgínia, fez seu famoso discurso “Dê-me a liberdade… ou dê-me a morte”, em 1775, na histórica Igreja de St. John em Church Hill.

Ao norte do centro da cidade, Jackson Ward, outrora chamado de Harlem do Sul, é um centro cultural vibrante que abriga o Museu de História Negra e Centro Cultural da Virgínia. A exposição “Virgínia é para amantes da música: uma história da excelência negra na música da Virgínia” foi inaugurada recentemente no museu.

A oeste do centro da cidade, o Fan District, nos limites do campus da Virginia Commonwealth University, é conhecido pela bela arquitetura vitoriana, ruas arborizadas, cafés modernos e lojas sofisticadas. Os amantes da arte irão desfrutar das quatro galerias e espaços comuns rotativos do Institute for Contemporary Art at VCU que é gratuito e aberto ao público.

Mais a oeste o Museum District apresenta a maioria dos principais museus da área incluindo o renomado Virginia Museum of Fine Arts e o Museu de História e Cultura da Virgínia. Ao sul do Museum District, Carytown – a “milha do estilo” de Richmond – é conhecida por lojas especializadas, restaurantes e pelo histórico Byrd Theatre, um “grande palácio do cinema” que data de 1928 e ainda exibe uma variedade de filmes.

Do outro lado do rio James, no centro da cidade, a promissora Manchester é conhecida hoje por sua vibração industrial chique, estúdios de arte e vistas panorâmicas do rio e do horizonte do centro da cidade. A Richmond Slave Trail começa aqui nas docas de Manchester.

Um olhar atento ao passado

No nordeste de Richmond, as estátuas de Jefferson Davis, Robert E. Lee e outros líderes confederados que antes ladeavam a Monument Avenue foram removidas.

Outrora lar de mais estátuas confederadas do que qualquer outra cidade dos EUA, a sua remoção em meio aos protestos contra a injustiça racial iniciados em 2020 tem feito parte do cálculo da cidade relativamente à longa e complicada sombra que a Guerra Civil e a escravatura lançaram sobre a reputação de Richmond.

“A remoção deles fez parte de um esforço mais amplo para nos envolvermos com a complexa história da cidade”, diz Carla Murray, diretora de comunicações de marketing do Turismo da Região de Richmond. “A história é controversa, mas estamos empenhados em contar a história completa.”

Os monumentos foram transferidos para os cuidados do Museu de História Negra e Centro Cultural da Virgínia, com supervisão do Museu Valentine. Uma das estátuas está em exibição no Valentine.

A estátua de Jefferson Davis – obra do escultor Edward Valentine, o primeiro presidente do museu – foi erguida na Monument Avenue, em 1907. A escultura está coberta de tinta e exposta tombada de lado, como estava quando foi derrubada por manifestantes em junho 2020. A família Valentine promoveu o mito da “Causa Perdida”, reenquadrando a Guerra Civil, que é tema de uma nova exposição.

Os bairros de Shockoe no centro da cidade são o foco do Projeto Shockoe, um esforço da cidade de Richmond para dar maior ênfase à história da escravidão com vários locais planejados, incluindo um Museu Nacional da Escravidão.

A cidade ainda tem trabalho a fazer para compartilhar uma nova história com possíveis visitantes, diz Lemon, do Richmond Black Restaurant Experience, que também faz parte do conselho da Virginia Tourism Corporation.

“Eu realmente quero que as pessoas visitem esta área, mas você terá que pensar da maneira antiga se quiser aproveitar esta cidade. Nos anos desde que ‘RVA’ se tornou uma marca oficial… a comunidade tem trabalhado para mudar a narrativa”, diz Lemon, referindo-se ao esforço bem-sucedido de reformulação da marca RVA lançado há mais de uma dúzia de anos.

Lemon espera que ao conhecer a história da cidade, os visitantes também conheçam a RVA como o centro de diversidade, empreendedorismo e criatividade que é.

Animação ao ar livre

À criatividade humana, juntam-se os recursos naturais da cidade e o apetite pela diversão.

Os amantes da natureza vão adorar Maymont, uma extensa propriedade vitoriana e um parque público ao longo do rio James. Maymont planeja lançar sua Virginia Wildlife Trail (Trilha de Vida Selvagem da Virgínia, em tradução livre) no outono de 2024, que conectará de forma mais coesa e acessível trilhas que passam pelos habitats de mais de 300 animais nativos e domésticos. Também terá instalações que apresentam programação educacional.

Não muito longe de Maymont, o lindo Jardim Botânico Lewis Ginter celebrará, em breve, seu 40º aniversário com uma grande reforma.

A diversificada temporada de festivais da cidade dura quase o ano todo. O 20º Festival Folclórico de Richmond, um dos maiores eventos da Virgínia, acontece de 27 a 29 de setembro. Em 11 de agosto, quase 100 mil participantes irão ao Carytown Watermelon Festival, o maior festival de música de um dia da Virgínia.

Com inauguração prevista para 2026, o querido time de beisebol da liga secundária da RVA, os Flying Squirrels, está se preparando para um novo estádio com 10 mil lugares. Enquanto isso, os jogos são disputados no The Diamond, a casa do beisebol da cidade desde 1985.

Previsto para inaugurar em 2025, o Riverfront Amphitheatre, com 7,5 mil lugares, será um local ao ar livre com vistas deslumbrantes do horizonte do centro da cidade e do Rio James. O rio oferece muitas oportunidades de recreação por si só.

O sistema James River Park apresenta mais de 32 quilômetros de trilhas e atividades aquáticas. “É simplesmente incrível”, diz Tobey. “Você pode estar nas trilhas ou remando nas corredeiras e, quando terminar, poderá estar em um ótimo restaurante em 10 minutos.”

Esse salto fácil de um local interessante para outro é apenas mais um motivo para ir para Richmond agora mesmo.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original