Lições do 1º dia da COP26: desculpas de Biden, promessa da Índia e decepções

Países anunciaram aumento da meta de redução de gases estufa, mas algumas medidas foram consideradas insuficientes por nações ameaçadas pelas mudanças climáticas

Ivana Kottasová*da CNN

Ouvir notícia

Quase 120 líderes mundiais se reuniram em Glasgow nesta segunda-feira (1º) para abordar o que cientistas e especialistas em saúde dizem ser a maior crise do mundo: a mudança climática.

A reunião veio na esteira de uma cúpula do G20 que apresentou, na melhor das hipóteses, resultados mistos sobre o clima, com os líderes dos países mais ricos do mundo não chegando a um acordo sobre metas-chave, como um prazo firme para o fim da energia do carvão.

Aqui estão as principais conclusões do primeiro dia completo da cúpula do clima da COP26 da ONU:

Pedido de desculpas de Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu desculpas a seus companheiros líderes mundiais pelo fato de os Estados Unidos terem retirado o Acordo de Paris sob a administração Trump.

“Acho que não deveria me desculpar, mas peço desculpas pelo fato de que os Estados Unidos – o último governo – retirou-se dos Acordos de Paris e nos colocou em uma sinuca de bico”, disse Biden em Glasgow.

Biden voltou a entrar no acordo poucas horas depois de tomar posse em janeiro.

Enquanto os líderes mundiais faziam seus comentários de abertura, Biden estava sentado no fundo da enorme plenária, mantendo a tradição de alocação de assentos em ordem alfabética.

“Vamos demonstrar ao mundo que os Estados Unidos não estão apenas de volta à mesa, mas, esperançosamente, liderando pelo poder de nosso exemplo”, disse o presidente durante seu discurso de abertura.

Mas, embora Biden tenha adotado um tom ambicioso durante seu discurso, dizendo aos participantes que seu “governo está trabalhando horas extras para mostrar que nosso compromisso com o clima é uma questão de ação, não de palavras”, uma sombra pairava sobre sua agenda climática do outro lado do oceano em Washington.

Os legisladores democratas têm debatido, e até agora não chegaram a um acordo, um pacote econômico que inclui US$ 555 bilhões em provisões para mudanças climáticas.

Reino Unido traz os grandes nomes

O governo do Reino Unido, que está hospedando a cúpula do clima da ONU em Glasgow, fez o possível para pressionar os líderes mundiais que agora é a hora de agir sobre o clima.

Na cerimônia de abertura, o primeiro-ministro Boris Johnson disse a seus colegas chefes de Estado que eles podem ser como James Bond, o famoso (embora fictício) agente 007.

“Podemos não nos sentir muito como James Bond – nem todos necessariamente nos parecemos com James Bond – mas temos a oportunidade e temos o dever de fazer desta cúpula o momento em que a humanidade finalmente começou, começou a desarmar aquela bomba“, disse.

“O dispositivo Doomsday é real, e o relógio está correndo ao ritmo furioso de centenas de bilhões de turbinas e sistemas … cobrindo a Terra com uma manta sufocante de CO2”, disse ele.

A realeza – tanto real quanto da variedade de assiduidade da TV – também manteve o discurso, com o Príncipe Charles encorajando os líderes a trabalharem juntos, e o célebre naturalista e locutor David Attenborough dizendo a eles que as gerações futuras iriam julgá-los por suas ações durante esta conferência.

No final do dia, a Rainha Elizabeth II deu as boas-vindas aos líderes mundiais em um discurso em vídeo reproduzido durante uma recepção.

“Por mais de setenta anos, tive a sorte de encontrar e conhecer muitos dos grandes líderes mundiais. E talvez eu tenha entendido um pouco sobre o que os tornam especiais”, disse a Rainha em seu discurso. “Algumas vezes foi observado que o que os líderes fazem por seu povo hoje é governo e política. Mas o que eles fazem pelo povo de amanhã – isso é o estadista”.

Índia faz promessa de zero emissão

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, ganhou as manchetes nesta segunda-feira ao anunciar uma meta de emissões líquidas zero, prometendo que a Índia se tornará neutra em carbono até 2070.

Embora tenha sido um grande anúncio, já que a Índia ainda não definiu uma data para sua ambição de zero líquido, a meta de 2070 é uma década mais tarde do que a da China, e duas décadas depois que o mundo como um todo precisa atingir as emissões de zero líquido para evitar que as temperaturas subam além de 1,5 graus Celsius acima dos tempos pré-industriais.

Mas Ulka Kelkar, diretor do programa climático do WRI Índia, uma organização de pesquisa ambiental, disse que, devido ao desenvolvimento econômico e à matriz energética da Índia, a data-alvo não deve ser comparada as dos Estados Unidos ou da Europa.

“Foi muito mais do que esperávamos”, disse Kelkar.” O Net-zero tornou-se um tópico do discurso público há apenas seis meses. Isso é algo muito novo para os indianos.” “Só ter esse conceito entendido na Índia já vai dar um sinal muito forte para todos os setores da indústria”, acrescentou.

Com o anúncio da Índia, todos os dez maiores países com energia carbonífera se comprometeram com o valor líquido zero, segundo o grupo de estudos climáticos Ember.

Decepção das pequenas nações

Delegados de nações menores expressaram seu desapontamento com a ação (ou melhor, falta de ação) das nações mais ricas do mundo.

Mia Mottley, a primeira-ministra de Barbados, uma ilha que já está profundamente ameaçada pela elevação do nível do mar, advertiu que a crise climática que seu país enfrenta é perigosa. Ela disse que é um “código vermelho para a China, os EUA, a Europa e a Índia”.

O primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, Gaston Browne, disse à CNN que foi “encorajado pelas ambições crescentes” estabelecidas pelos líderes mundiais na cúpula da COP26, mas também expressou desapontamento, dizendo que as metas estabelecidas não vão “longe o suficiente para conter o aumento global das temperaturas de 1,5 graus Celsius. ”

E o presidente do Panamá, Laurentino Cortizo, disse não estar otimista sobre o que a conferência COP26 pode alcançar.

“Já ouvimos tudo isso antes. O que precisamos é de uma ação”, disse Cortizo. “Não estou otimista de que será o suficiente.”

Medidas da Covid-19 atrapalham as negociações

O presidente da COP26, o legislador britânico Alok Sharma, disse que ser capaz de manter negociações presenciais, apesar da pandemia de Covid-19 em curso, era um objetivo fundamental de sua presidência.

“Para mim foi de vital importância que tivéssemos uma reunião física onde cada país pudesse sentar-se à mesa, os maiores emissores, junto com as nações menores, aqueles que estão na linha de frente das mudanças climáticas, e poder olhar cada um outro no olho como parte desta negociação “, disse ele a repórteres no domingo.

Mas manter o evento sem Covid foi um desafio.

Todos os participantes foram convidados a usar máscaras e fazer testes diários de coronavírus. E embora o local seja enorme (cerca de 1 km de uma ponta a outra), o grande número de pessoas no local dificulta o distanciamento social.

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, órgão encarregado das negociações, admitiu que a pandemia está causando problemas. Por exemplo, devido ao distanciamento social, a maior sala reservada para negociações só pode ter 144 assentos – embora haja 193 partidos a serem representados na conferência.

*Amy Cassidy e Ingrid Formanek, da CNN, contribuíram para esta matéria.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN