Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Foguetes militares cruzam o céu durante entrada de repórter da CNN na Rússia

    Correspondente sênior Frederik Pleitgen estava na região russa de Belgorod, próximo à fronteira com a Ucrânia, quando os disparos aconteceram

    Fred PleitgenAditi Sangalda CNN

    Uma série de foguetes militares – aparentemente disparados do território russo para a Ucrânia – cruzaram o céu durante uma entrada ao vivo de um repórter da CNN.

    O correspondente sênior Frederik Pleitgen relatava as últimas informações sobre a invasão da Ucrânia diretamente da região russa de Belgorod quando os foguetes puderam ser vistos ao fundo.

    “Este é outro barulho do que acreditamos ser vários lançadores de foguetes de artilharia que estão disparando aqui”, disse Pleitgen.

    O repórter está no último posto de controle antes da linha de frente no lado russo da fronteira entre Rússia e Ucrânia.

    O ataque russo

    Após dias de escalada de tensão e ameaças, a Rússia de Vladimir Putin atacou a Ucrânia nas primeiras horas desta quinta-feira (24).

    Pouco depois de Putin ter autorizado, em pronunciamento pela TV, uma operação militar nas regiões separatistas do leste da Ucrânia, explosões e sirenes foram ouvidas em várias cidades do país, segundo relatos de repórteres da CNN.

    Em seu pronunciamento, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

    Em vídeo divulgado nas redes sociais, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou que impôs a lei marcial no país e pediu que a população permaneça calma.

    “Caros cidadãos ucranianos, esta manhã o presidente Putin anunciou uma operação militar especial em Donbas. A Rússia realizou ataques contra nossa infraestrutura militar e nossos guardas de fronteira. Ouviram-se explosões em muitas cidades da Ucrânia. Estamos introduzindo a lei marcial em todo o território do nosso país”, declarou.

    O ministro ucraninano de Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, afirmou que Putin ordenou invasão de larga escala. “Cidades pacíficas da Ucrânia estão sob ataque. Esta é uma guerra de agressão”, escreveu.

    Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia descreveu a ação militar da Rússia como um “ato de guerra”, em um comunicado publicado nas redes sociais.

    Repórteres da CNN relatam explosões

    O repórter Mathias Brotero, da CNN Brasil, está em Kiev, capital da Ucrânia, e relatou ter ouvido barulhos que podem ser de explosões.

    Repórteres de equipes da CNN em Kiev, ouviram explosões na direção do aeroporto internacional da cidade. Nas redes sociais, usuários relataram ter ouvido várias explosões na área de Boryspil, a leste da capital, onde o aeroporto internacional está localizado, a cerca de 25 quilômetros da cidade. A CNN não confirmou que o aeroporto foi alvo.

    Em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia localizada no nordeste do país, uma equipe da CNN relata ter ouvido um “fluxo constante de explosões”.

    Em Kramatorsk, cidade ao leste do país localizada a cerca de 120 quilômetros de Donetsk, duas pessoas disseram que ouviram pelo menos duas explosões. Na região, controlada por separatistas, tiros de artilharia foram ouvidos nesta quinta-feira.

    Em Mariupol, moradores disseram à CNN que ouviram explosões vindas do leste da cidade, localizada no sudeste do país. Já em Odessa, uma equipe da CNN ouviu duas sequências de explosões, com cerca de 20 minutos de intervalo entre elas. Em Zaporizhzhia, uma equipe de reportagem disse ter ouvido pelo menos uma explosão distante.

    Além disso, uma equipe da CNN na cidade russa de Belgorod, que fica a cerca de 80 quilômetros ao norte de Kharkiv, disse ter ouvido um fluxo regular de baques que soavam como fogo de artilharia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original