Homem-bomba de ataque no aeroporto de Cabul deixou prisão dias antes

Explosão matou 13 militares americanos, além de dezenas de afegãos; Estado Islâmico-K assumiu responsabilidade por ato

Pessoas feridas são levadas a hospital após ataque no aeroporto de Cabul
Pessoas feridas são levadas a hospital após ataque no aeroporto de Cabul 26/08/2020REUTERS TV/1TV

Ouvir notícia

O homem-bomba do Estado Islâmico-K que realizou o ataque terrorista no aeroporto internacional de Cabul no fim de agosto, matando 13 militares americanos e dezenas de afegãos, foi libertado de uma prisão perto de Cabul poucos dias antes, quando o Talibã assumiu o controle da área. de acordo com três funcionários dos EUA.

Duas autoridades, além do deputado republicano Ken Calvert, que disse ter sido informado por integrantes de segurança nacional, disseram que o homem-bomba foi libertado da prisão de Parwan, na base aérea de Bagram. Os EUA controlavam a base até deixar Bagram no início de julho. O presídio foi entregue às autoridades afegãs em 2013.

A revelação ressalta o caos em torno dos dias finais da retirada das tropas e cidadãos americanos do Afeganistão e a dificuldade dos Estados Unidos para controlar uma situação em rápida deterioração ao redor do aeroporto, já que dependia do Talibã para proteger o perímetro do aeroporto.

A prisão Parwan, junto com a prisão Pul-e-Charkhi perto de Cabul, abrigava centenas de membros do Estado Islâmico-K, bem como milhares de outros prisioneiros, quando o Talibã assumiu o controle de ambas as instalações pouco antes de chegar à capital em meados de agosto, disse uma fonte regional de contraterrorismo à CNN na época. O grupo extremista esvaziou ambas as prisões, libertando seus próprios membros que haviam sido presos.

Onze dias depois, em 26 de agosto, um desses prisioneiros executou o atentado em uma das entradas do aeroporto, matando 13 militares americanos, incluindo 11 fuzileiros navais, um soldado e um marinheiro. Eles representam as últimas tropas americanas mortas no Afeganistão.

Entre os feridos, um fuzileiro naval continua em estado grave, mas estável, no Centro Médico Militar Walter Reed, segundo o Corpo de Fuzileiros Navais. Outro está recebendo atendimento em uma instalação especializada, enquanto 16 seguem recebendo tratamento ambulatorial.

Soldados americanos carregam caixão com integrante das Forças Armadas que morreram em ataque o Afeganistão / CNN / Reprodução

Dois oficiais dos EUA confirmaram a identidade do homem-bomba

O Estado Islâmico-K assumiu o crédito pelo ataque e nomeou o homem-bomba como Abdul Rehman Al-Loghri. Duas autoridades americanas confirmaram a identidade. O FirstPost, um site de notícias em inglês com sede na Índia, foi o primeiro a relatar que o homem havia sido libertado da prisão de Bagram.

A rápida transição de prisioneiro para terrorista destaca os perigos que o Afeganistão representa sem a presença militar dos EUA no terreno para monitoramento. O general Mark Milley, disse que a ameaça do Afeganistão é atualmente menor do que após o ataque de 11 de setembro, mas advertiu que as condições “podem ser estabelecidas” para a reconstituição da Al Qaeda ou do Estado Islâmico-K.

“É uma possibilidade real em um futuro não muito distante – entre seis e 36 meses nesse período – para a reconstituição da Al Qaeda ou Estado Islâmico”, disse Milley na audiência no Capitólio na semana passada, “e é nosso trabalho agora, sob diferentes condições, proteger os cidadãos americanos contra possíveis ataques do Afeganistão”.

Calvert, deputado que atua como membro da Subcomissão de Defesa da Câmara, representou um dos mortos no ataque suicida, o Corpo de Fuzileiros Navais Lance Cabo Kareem Nikoui. Em um comunicado divulgado no mês passado, Calvert disse que foi informado por funcionários da segurança nacional sobre a identidade do homem-bomba e sua libertação da prisão de Bagram.

No documento, Calvert disse que a “desastrosa retirada levou a uma série de eventos que culminaram com a trágica perda de vidas em 26 de agosto fora do aeroporto de Cabul. Treze americanos, incluindo um de meus constituintes, foram mortos por causa da má execução da retirada de nossas tropas”.

O governo Biden enfrentou críticas por sua retirada de Bagram, não apenas por causa da decisão de abandonar um extenso complexo militar que foi o coração das operações militares dos EUA no Afeganistão por quase 20 anos, mas também pela forma como isso foi feito.

Soldado americano cuida de criança em um dos pontos de checagem no aeroporto de Cabul / U.S. Marine Corps/Sgt. Victor Mancilla/AP

Algumas autoridades afegãs disseram que os EUA deixaram a base no meio da noite com poucos avisos. O Pentágono insistiu que houve comunicação e coordenação sobre a entrega da base cerca de 48 horas antes da partida dos Estados Unidos, mas que a hora exata da partida final de Bagram nunca foi fornecida ao governo afegão.

Maioria dos prisioneiros de Bagram era terroristas

Os EUA entregaram a Base Aérea de Bagram para as Forças de Defesa e Segurança Nacional Afegãs (ANDSF) em 1º de julho, quando a retirada das forças americanas do Afeganistão estava quase concluída.

Na época, havia aproximadamente 5 mil prisioneiros em Bagram, disse um porta-voz do Ministério da Defesa afegão à CNN. Algumas centenas eram criminosos, mas a grande maioria eram terroristas, disse o porta-voz, incluindo membros da Al Qaeda, do Talibã e do Estado Islâmico. Também havia prisioneiros estrangeiros do Paquistão, da Chechênia e do Oriente Médio detidos lá. Cabia aos afegãos proteger o complexo.

Enquanto os EUA entregavam Bagram à ANDSF, o Talibã tomou o país, passando a controlar 150 dos 407 distritos do Afeganistão até 5 de julho. Foi um sinal do que estava por vir, já que as capitais provinciais começaram a cair em rápida sucessão. Em meados de agosto, o Talibã estava às portas de Cabul e o colapso total dos militares afegãos estava virtualmente completo.

Em 15 de agosto, o dia em que o ex-presidente afegão Ashraf Ghani fugiu secretamente do país, o grupo chegou à capital, assumindo o controle da base aérea de Bagram e da prisão de Pul-e-Charkhi.

Ao libertar os prisioneiros, o Talibã introduziu outra ameaça em um ambiente já caótico, fazendo com que milhares de afegãos fossem ao aeroporto internacional de Cabul na tentativa de fugir do país. Oficiais militares alertaram sobre a possibilidade de um ataque no aeroporto e uma ameaça do Estado Islâmico-K, e o Departamento de Estado alertou repetidamente os cidadãos americanos para se afastarem de certos portões.

O secretário de Defesa Lloyd Austin reconheceu em audiências no Capitólio na semana passada que o Pentágono foi surpreendido pelo rápido colapso dos militares afegãos em 11 dias. Mas em suas declarações iniciais nas audiências, Austin defendeu a decisão de deixar Bagram.

“Reter Bagram exigiria colocar até cinco mil soldados americanos em perigo, apenas para operá-lo e defendê-lo. E teria contribuído pouco para a missão que havíamos sido designadas, que era proteger e defender nossa embaixada que estava a cerca de 30 milhas de distância “, disse ele. “Ficar em Bagram – mesmo para fins de contraterrorismo – significava permanecer na guerra no Afeganistão, algo que o presidente deixou claro que não faria.”

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN