Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Kremlin diz que bilionário Abramovich participou de conversas de paz com Ucrânia

    Oligarca é um dos alvos de sanções aplicadas por governos ocidentais como forma de isolar o presidente Vladimir Putin

    Dono do Chelsea, Roman Abramovich, no estádio Stamford Bridge
    Dono do Chelsea, Roman Abramovich, no estádio Stamford Bridge Action Images via Reuters / John Sibley Livepic

    Felipe Romeroda CNN*

    Ouvir notícia

    O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, disse nesta quinta-feira (24) que o bilionário russo Roman Abramovich desempenhou um papel inicial nas negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, mas o processo agora está nas mãos das equipes de negociação dos dois lados.

    “Ele participou no estágio inicial”, disse Peskov a repórteres. “Agora as negociações são entre as duas equipes, os russos e os ucranianos.”

    Os governos ocidentais têm como alvo Abramovich e vários outros oligarcas russos com sanções enquanto procuram isolar o presidente Vladimir Putin e seus aliados sobre os eventos na Ucrânia.

    Famoso pela propriedade do time de futebol inglês Chelsea, Abramovich colocou o clube à venda no início da invasão russa. Ainda assim, o conselho da liga inglesa destituiu o russo da diretoria da equipe.  Na segunda-feira (21), manifestantes tentaram impedir que um iate do aliado de Putin atracasse na Turquia.

    O Reino Unido tem apertado o cerco contra os bilionários aliados do governo russo – muitos deles, além de negócios, têm residência no país. Há décadas, o Reino Unido atrai estrangeiros ricos que precisam colocar suas fortunas em investimentos seguros e anônimos, facilitado por uma legislação permissiva, avalia Susannah Fitzgerald, da Transparência Internacional.

    A França afirmou ter congelado mais de 800 milhões de euros em ativos de oligarcas russos, embora não tenha revelado a propriedade desses recursos. Na prática, a medida impede que os bens e ativos sejam usados, comercializados ou rentabilizados.

    *com informações da Reuters

     

     

     

    Mais Recentes da CNN