Pacheco vai juntar CPIs e dará dez dias de prazo para indicações

Prazo foi acordado com outras lideranças do Senado e é uma forma de frear a estratégia que governistas queriam impor de retardar indicações

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
13 de abril de 2021 às 12:21 | Atualizado 13 de abril de 2021 às 19:52

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, vai estipular um prazo de dez dias para que as lideranças partidárias indiquem os integrantes da CPI.

O prazo foi acordado com outras lideranças da Casa e é uma forma de frear a estratégia que governistas queriam impor de retardar as indicações como forma de atrasar os trabalhos da CPI. Isso porque o regimento do Senado não é claro quanto ao prazo para indicações.

 

Com isso, a partir da leitura hoje da CPI, a previsão é de que a CPI possa iniciar os trabalhos em dez dias. No entanto, ainda há dúvida no Senado se a CPI terá condições de trabalhar presencialmente durante a pandemia. Isso deverá ser debatido dentro desse prazo de dez dias.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
Foto: Reprodução/CNN Brasil (26.mar.2021)

 

Ele deverá anunciar o prazo hoje junto com o apensamento dos objetos das duas CPIs que já tem assinaturas suficientes para ser instalada, uma para investigar a responsabilidade do governo federal na pandemia e outra para ampliar o escopo também para a utilização dos recursos federais por parte de estados e municípios. A possibilidade de apensamento das duas CPIs foi antecipada pela CNN nesta segunda-feira.