“Festas de fim de ano são preocupação grande”, diz infectologista Roberto Medronho

Avanço da variante Ômicron no Brasil acende sinal de alerta para confraternizações e festas programadas para o final do ano

Vinícius TadeuProduzido por Ludmila Candalda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Diante do avanço da variante Ômicron no país, as festas de final de ano são motivo de grande preocupação e vistas como potencial motivo de um possível aumento de contaminações por Covid-19. Essa é a avaliação do infectologista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Medronho, que afirmou à CNN nesta quinta-feira (30) que “a Ômicron já está no nosso país e com transmissão comunitária”.

“Nós precisamos ficar atentos porque a Ômicron já entrou em território nacional e com essas aglomerações a tendência é que o mês de janeiro seja bastante ruim em termos de Covid”, afirmou o professor.

Segundo o infectologista, as festas de final de ano já programadas são um grande fator de risco já que há a possibilidade de muitos eventos em locais fechados. Na avaliação de Medronho, as pessoas podem assistir à queima de fogos mais distanciadas umas das outras.

De acordo com o professor, o comportamento da variante na população brasileira ainda precisa ser estudado, mas observações preliminares mostram que a nova cepa não tem provocado muitas hospitalizações nem óbitos. O infectologista citou a vacinação como principal meio de defesa contra a Ômicron.

Medronho também defendeu a imunização de crianças de 5 a 11 anos, e pontuou que “os casos de reações adversas são muito raros e na maioria das vezes são eventos adversos brandos”. Segundo o professor, é fundamental que a vacinação dessa faixa etária comece o quanto antes.

“Se estivéssemos com as escolas funcionando plenamente e as nossas crianças não vacinadas, o número de crianças infectadas seria muito maior”, avaliou. O infectologista reforçou: “temos que vacinar urgentemente as crianças de 5 a 11 anos”.

Sobre o aumento do número de infecções por influenza, Medronho afirmou que a epidemia de gripe é decorrente das pessoas estarem relaxando o uso de máscaras e deixando de tomar a vacina contra a doença.

Mais Recentes da CNN