Ministério da Saúde nega atraso na entrega de vacinas da AstraZeneca para SP

Segundo a pasta, o estado de São Paulo teria utilizado como primeira dose vacinas destinadas à dose dois

A capital paulista chegou a registrar 98% dos postos de imunização contra o coronavírus sem doses da AstraZeneca, nesta sexta-feira (10)
A capital paulista chegou a registrar 98% dos postos de imunização contra o coronavírus sem doses da AstraZeneca, nesta sexta-feira (10) Prefeitura de Jundiaí

João de Marida CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério da Saúde negou atraso no cronograma de entregas de vacinas contra a Covid-19 da AstraZeneca ao estado de São Paulo.

Em nota divulgada nesta sexta-feira (10), a pasta afirmou que até o momento foram entregues mais de 9 milhões de imunizantes destinados à aplicação de segunda dose.

“Ao contrário do que foi divulgado pelo governo de São Paulo, o Ministério da Saúde não deve segunda dose de vacina Covid-19 da AstraZeneca ao estado de São Paulo. Até o momento foram entregues ao estado 12,4 milhões de dose 1 e 9,2 milhões de dose 2 da AstraZeneca”, diz trecho da nota.

À CNN Brasil, o coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo João Gabbardo afirmou, na quinta-feira (9), que a cidade de São Paulo enfrenta dificuldades com o abastecimento de doses. Ele culpou o Ministério da Saúde pela falta de imunizantes.

A capital paulista chegou a registrar 98% dos postos de imunização contra o coronavírus sem doses da AstraZeneca, nesta sexta-feira (10).

Segundo o Ministério da Saúde, o estado de São Paulo teria utilizado como primeira dose vacinas destinadas à dose dois.

“Dados inseridos por São Paulo no LocalizaSUS mostram que o estado utilizou como primeira dose vacinas destinadas à dose dois. O estado aplicou 13,99 milhões de dose 1 e 6,67 milhões de dose 2”.

A pasta afirmou ainda que “2,8 milhões de doses não foram enviadas porque o prazo de intervalo entre a primeira e segunda dose só se dará no final do mês” e pediu para que estados e municípios sigam o Plano Nacional de Operacionalização (PNO).

“As alterações nas recomendações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) acarretam na falta de doses para completar o esquema vacinal na população brasileira. Por isso, o Ministério da Saúde alerta, mais uma vez, para que estados, municípios e Distrito Federal sigam o Plano Nacional de Operacionalização (PNO)”, diz a nota.

O secretário municipal da Saúde Edson Aparecido informou à CNN que o problema já está sendo resolvido. Segundo ele, um lote com 1 milhão de doses deverá chegar ao estado de São Paulo na próxima segunda-feira (13) e, desse total, ao menos 340 mil vão ficar na capital.

Segunda dose com Pfizer

No início da noite desta sexta-feira (10), o governo de São Paulo anunciou que, a partir da próxima semana, quem estiver com a segunda dose da vacina da AstraZeneca atrasada poderá se vacinar com o imunizante da Pfizer.

Com a medida, poderá se vacinar com o imunizante da Pfizer no estado quem estiver com a dose de AstraZeneca vencida entre os dias 1 e 15 de setembro.

No anúncio da nova medida, o governo paulista ressaltou que a falta de doses do imunizante da AstraZeneca ocorre devido a um “apagão do Ministério da Saúde, que deixou de enviar quase 1 milhão de doses ao estado em setembro”.

Mais Recentes da CNN