Emma Stone comeu 60 pastéis de nata para “Pobres Criaturas”; saiba onde comprá-los em Lisboa

Popular doce português é destaque no filme ganhador do Oscar e item obrigatório em qualquer roteiro na capital, por isso selecionamos 5 endereços para seu deleite

Pastel de Nata é típico doce português que tem origem conventual
Pastel de Nata é típico doce português que tem origem conventual Alice Butenko/Unsplash

Saulo Tafarelodo Viagem & Gastronomia

Emma Stone faturou neste domingo (10) a estatueta de Melhor Atriz na 96ª cerimônia do Oscar por sua atuação em “Pobres Criaturas“, filme que angariou outros três prêmios na noite da maior premiação do cinema. Os cenários da produção remontam a grandes cidades, como Londres, Lisboa, Alexandria e Paris.

Mas é na capital portuguesa que Bella Baxter, a personagem interpretada por Stone, descobre os prazeres de uma iguaria inconfundível: o pastel de nata. Nas cenas é possível ver o deleite da personagem ao colocar não somente uma, mas várias unidades do doce na boca.

No total, a atriz teve de comer 60 pastéis de nata para captar as sequências. A revelação foi feita no final de fevereiro durante um painel na celebração dos indicados ao Prêmio do Sindicato de Produtores da América de Melhor Filme.

Parte constituinte da identidade de Lisboa e de Portugal, o popular doce tem origem conventual, ou seja, que surgiu nos conventos e mosteiros do país. Seu sucesso é comprovado ainda hoje pela alta demanda nas pastelarias das ruas da capital, com filas constantes em certos endereços.

Pastel de nata X Pastel de Belém

O doce, que lembra o formato de “tortinha” para nós brasileiros, é composto por uma pequena massa redonda folhada, que é recheada com um creme de ovos e leite e que segue para o forno.

O creme pode levar ainda limão ou baunilha, mas sem exageros, e é comum jogar pitadas de canela em pó por cima da iguaria antes de comê-la.

E qual a diferença entre os pastéis de nata e os pastéis de Belém? A receita é semelhante, mas só podem ser chamados pastéis de Belém aqueles que são fabricados e comercializados na Fábrica de Pastéis de Belém, vizinha ao Mosteiro dos Jerónimos e pertinho da Torre de Belém, em Lisboa.

A produção dos pastéis de Belém tem registro oficial de 1837 e foi iniciada em instalações anexas a um refino de cana-de-açúcar vizinhas ao Mosteiro. Até hoje a receita é secreta e passada de geração em geração por mestres pasteleiros que a fazem artesanalmente.

Todos os outros produtores do doce fora deste endereço vendem simplesmente pastéis de nata.

Confira 5 endereços em Lisboa para comer pastéis de nata:

  • Manteigaria – Fábrica de Pastéis de Nata

A Manteigaria é uma das mais populares redes de pastéis de nata da capital, com sede no Chiado e com lojas na Rua Augusta, no Campo de Ourique e no Time Out Market, para citar alguns – há ainda endereços no Porto e até em Paris.

Os pastéis de nata são vendidos individualmente ou ainda em pacotinhos com duas, quatro ou seis unidades. Caso a compra seja para viagem, um saquinho com canela é colocado na sacolinha.

As lojas funcionam como minifábricas, com fornos à vista e pastéis de nata separados dos clientes por um balcão de vidro. As fornadas são anunciadas com o toque de um sino.

Manteigaria – Fábrica de Pastéis de Nata: Sede na Rua do Loreto 2, 1200-108 Lisboa, Portugal / Horário de funcionamento: diariamente das 8h à 0h / Confira outros endereços no site.

  • Pastelaria do Bairro Alto Hotel

Interior da Pastelaria do Bairro Alto Hotel, com saída para Rua do Alecrim
Interior da Pastelaria do Bairro Alto Hotel, com saída para a Rua do Alecrim / Francisco Nogueira

O luxuoso Bairro Alto Hotel fica entre o Bairro Alto e o Chiado, em frente à Praça Luís de Camões, e possui no térreo uma pastelaria própria aberta para o público. Os pastéis de nata são vendidos aqui individualmente ou em caixas com seis unidades.

Caso for comê-los no local, uma colher ajuda na tarefa de saborear melhor o recheio cremoso, que é um pouco mais líquido quando comparado às receitas dos outros endereços desta lista. Recipientes para despejar canela ficam à disposição dos fregueses.

Além de pastéis de nata, o cardápio ainda inclui empada de frango, rolo de canela e mel, mini pão de ló, brioche de baunilha e framboesa e o doce jesuítas.

Bairro Alto Hotel: Praça Luís de Camões 2, 1200-243 Lisboa, Portugal / Horário de funcionamento: diariamente das 10h às 19h.

  • Castro – Atelier de Pastéis de Nata

Nas duas lojas da Castro em Lisboa, com um endereço também no Porto, é possível acompanhar a fabricação artesanal dos típicos doces, que aqui ganham um status mais elevado com ajuda da decoração e das louças refinadas.

O recheio é maturado por um dia inteiro antes de ganhar a massa folhada e os pastéis são vendidos individualmente ou em caixas que podem conter até 24 unidades.

Castro – Atelier de Pastéis de Nata: Rua Garrett 38, 1200-204 e Rua Áurea 254, 1100-066 Lisboa, Portugal / Horário de funcionamento: diariamente das 8h30 às 22h. 

  • Pastelaria Santo António

Pastel de nata da Pastelaria Santo António, no caminho para o Castelo de São Jorge
Pastel de nata da Pastelaria Santo António, no caminho para o Castelo de São Jorge / Saulo Tafarelo

A Pastelaria Santo António fica nas redondezas do Castelo de São Jorge, uma das atrações mais visitadas da capital, e foi vencedora do Melhor Pastel de Nata de Lisboa em 2019.

Aqui as fornadas também vão para um balcão envidraçado à vista dos clientes e o cardápio contempla outros docinhos, comidas e bebidas, sendo um boa paradinha na subida ou na descida do castelo.

Pastelaria Santo António: Rua do Milagre de Santo António 10, 1100-351 Lisboa, Portugal / Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 8h às 18h; sábado e domingo, das 8h às 19h. 

  • Pastéis de Belém

Fachada da loja Pastéis de Belém, em Lisboa
Fachada da loja Pastéis de Belém, que desde 1837 fabrica os únicos pastéis que podem levar Belém no nome / Saulo Tafarelo

É o endereço mais tradicional da lista e o único em que a iguaria pode realmente ser chamada de pastéis de Belém. Situado na Rua de Belém, a alguns passos do Mosteiro dos Jerónimos, o local remonta a 1837 e costuma atrair até hoje longas filas de turistas em busca do famoso doce.

O salão é movimentado, mas, caso queira aproveitar o entorno, não é preciso sentar nas mesinhas: basta se informar sobre a fila que leva ao balcão para compras para viagem.

É possível chegar até a região de Belém por meio de trem, o chamado comboio, e aproveitar o dia por aqui entre cartões-postais e centros culturais à beira do Tejo. Além dos Pastéis de Belém e do Mosteiro, a dica é checar a Torre de Belém, o Centro Cultural de Belém, o Museu de Arte Contemporânea de Lisboa (com obras de Picasso, Francis Bacon, Dalí e Warhol) e o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (de arquitetura arrojada em frente ao rio e com convidativo terraço).

Pastéis de Belém: Rua de Belém nº 84 a 92, 1300 – 085 Lisboa, Portugal / Horário de funcionamento: diariamente das 8h às 21h.