Canadá é o país preferido dos brasileiros para intercâmbio; confira ranking

Cursos de idiomas continuam a liderar os diferentes tipos de intercâmbio, mas ênfase na carreira profissional tem aparecido cada vez mais forte

455.480 estudantes brasileiros fizeram intercâmbio em 2022
455.480 estudantes brasileiros fizeram intercâmbio em 2022 Unsplash

CNN Viagem & Gastronomiado Viagem & Gastronomia São Paulo, SP

Aprender um novo idioma enquanto se conhece outro país e cultura está entre as vantagens de realizar um intercâmbio.

E cada vez mais gente opta por alçar tal voo: 455.480 estudantes brasileiros fizeram intercâmbio em 2022, um aumento de 18% no volume de envio de estudantes do Brasil para o exterior em comparação a 2019, ano pré-pandêmico.

Os dados atualizados são da Belta, Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio, que diz ainda que a qualidade de vida do país continua sendo o principal motivo para a escolha do destino. Aparecem em seguida a qualidade do ensino e a localização do país.

Por falar em destinos, a Pesquisa Selo Belta 2023, realizada com agentes de intercâmbio e estudantes em cerca de 317 agências associadas e não associadas entre dezembro de 2022 e abril de 2023, aponta que o Canadá continua como o destino preferido dos brasileiros na hora do intercâmbio, posto que ocupa há 22 anos.

Segundo a Belta, os destinos de intercâmbio mais procurados por estudantes brasileiros são:

  1. Canadá
  2. Estados Unidos
  3. Reino Unido
  4. Irlanda
  5. Austrália
  6. Malta
  7. Espanha
  8. África do Sul
  9. Nova Zelândia
  10. França

Oportunidades à vista

A diferença do pré e do pós-pandemia em relação ao intercâmbio não fica somente nos números: o mercado também enxerga uma mudança de objetivos dos estudantes com tais viagens.

“Após o período de pandemia, as pessoas retomaram seus projetos e voltaram a investir na educação internacional para construir um currículo global e ampliar as oportunidades de atuação profissional. Antes, o foco estava na possibilidade de conciliar uma viagem internacional com o aprendizado do idioma, porém, com menor viés para a carreira”, diz Christina Bicalho, vice-presidente do STB – Student Travel Bureau, líder no segmento de educação internacional no Brasil.r4

O investimento para um curso no exterior, porém, aumentou: é necessário desembolsar agora uma média de US$ 8.307, ante US$ 5.928 (entre R$ 40,3 mil e R$ 28,8 mil) em 2019, segundo a Pesquisa Selo Belta 2023.

Mesmo assim, as pessoas estão dispostas a investir em conhecimento e cursos profissionalizantes, como defende Christina.

“Apesar da incerteza financeira sentida por muitos durante a época da pandemia, as pessoas estão mais dispostas a investir em conhecimento e cursos profissionalizantes no exterior que ajudem a destacar o currículo, que incentivem o networking global e que possam agregar na carreira”, afirma a vice-presidente do STB.

Diferentes modalidades

A pesquisa da Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio ainda aponta que, no geral, o tipo de intercâmbio mais procurado é o curso de idiomas.

Mas vale ressaltar que esta não é a única modalidade dentro do leque de opções de um intercâmbio.

“Existe a possibilidade de viajar aprendendo um novo idioma, fazer graduação, pós-graduação ou cursos profissionais. Existem também opções para crianças e adolescentes, como os programas de férias onde podem praticar um novo idioma ao mesmo tempo que exploram lugares pelo mundo. Também podem fazer o ensino médio no exterior, tendo contato muitas vezes com matérias e atividades extracurriculares diferentes das que fariam no ensino médio do Brasil”, lembra Christina Bicalho.

Idiomas além do inglês

Apesar da língua inglesa continuar como a mais visada pelos intercambistas, a procura de brasileiros interessados em aprender uma outra língua além da inglesa cresceu 36% no primeiro semestre de 2023 comparado ao mesmo período de 2022, segundo um levantamento da STB.

Espanhol e francês aparecem como os idiomas mais procurados para além do inglês, em que a crescente internacionalização das empresas é uma das razões para o aumento da demanda por esses tipos de cursos, segundo aponta o STB.

A seguir, segundo dados do STB, confira os quatro primeiros países de língua não-inglesa mais procurados no 1º semestre de 2023:

  1. Espanha
  2. Itália
  3. França
  4. Alemanha

Já tomando como base todo o ano de 2022, as posições mudam: a França aparece em primeiro lugar, enquanto Itália, Espanha e Alemanha vêm em seguida.