Vilarejo em que Harry Styles viveu vira ponto turístico e é “invadido” por fãs

Holmes Chapel era mais uma tranquila vila na Inglaterra até ter tour dedicada ao cantor

Há mercadorias em abundância nas lojas locais de Holmes Chapel, já que a fama de Harry Styles na vila se espalhou pelo mundo
Há mercadorias em abundância nas lojas locais de Holmes Chapel, já que a fama de Harry Styles na vila se espalhou pelo mundo

Maureen O'Hareda CNN

Antes de 2010, Holmes Chapel era apenas mais uma tranquila vila arborizada no norte da Inglaterra. Havia a pequena estação de trem com serviços para Manchester e Crewe, um punhado de lojas locais e, a uma curta caminhada da cidade, o viaduto Twemlow, de 180 anos, às margens do rio Dane.

Então, um adolescente com covinhas e cabelos cacheados, que trabalhava meio período na padaria local, foi até Londres para fazer uma audição no programa de TV The X Factor. Esse adolescente era Harry Styles, que se tornou parte da boy band de sucesso One Direction antes de alcançar novos patamares em sua carreira solo.

A fama de Holmes Chapel começou quando serviu de cenário para o documentário “This Is Us” do One Direction, em 2013. Para as legiões de fãs de Styles ao redor do mundo — conhecidos como “Harries” —, os lugares de sua juventude foram consagrados como novos pontos turísticos da cultura pop.

O principal destino é o viaduto onde o artista deu seu primeiro beijo e, no documentário, escreveu seu nome na parede com giz. Mas, segundo os moradores, com cerca de 5.000 fãs internacionais visitando a vila de 6.700 habitantes a cada ano, a segurança no trânsito se tornou uma preocupação.

Holmes Chapel, o vilarejo britânico onde o músico e ator Harry Styles cresceu, lançou um novo passeio a pé para fãs
Holmes Chapel, o vilarejo britânico onde o músico e ator Harry Styles cresceu, lançou um novo passeio a pé para fãs / Maureen O’Hare/CNN

Harry Styles resgatou um filhote de toupeira

Um ano após a estreia de um mapa com possíveis caminhadas pela vila, o grupo comunitário Holmes Chapel Partnership lançou, nesse fim de semana, o Tour pela Vila de Harry.

É um passeio tranquilo de 2 horas e meia a 3 horas pelos pontos turísticos de Harry — permitindo muito tempo para selfies e conteúdo para redes sociais — guiado por especialistas treinados tanto em história local quanto em lendas sobre o artista, alguns dos quais compartilham como foram seus encontros com ele.

“Minha memória favorita do Harry Styles foi quando ele me ajudou a resgatar um filhote de toupeira que meus gatos trouxeram para dentro de casa e que havia se escondido sob o tapete”, lembra a guia turística Jill Booth, 58, que, como ex-vizinha com um filho da mesma idade do cantor, conhece Styles desde que ele era criança.

Foram 150 candidatos para os cargos de guia turístico, muitos deles do exterior, e o processo de entrevista envolveu um questionário com 80 perguntas sobre o astro e sua cidade natal, bem como uma apresentação experimental no viaduto.

Outros guias, como Isabella Boughey, 21, de Stoke-on-Trent, são fãs de Harry desde o começo de sua carreira. Quando criança, Boughey assistia a The X Factor com sua mãe e, desde então, Harry ocupou um lugar especial em seu coração. “Amo como ele incorpora a felicidade e a positividade”, diz ela à CNN Travel.

‘O melhor emprego do mundo’

O passeio começa na estação de trem de Holmes Chapel, onde o agente de estação Graham Blake tem recebido fãs que viajaram de lugares tão distantes quanto a Austrália e o México.

Blake lembra de Styles na estação semanalmente, enquanto viajava para Londres nas etapas do reality show The X Factor. Ele era um “rapaz adorável”, recorda. “Sempre estava à frente na moda e tudo mais. Ele usava essas calças jeans com sua cueca Calvin Klein e um pequeno chapéu fofinho”.

O agente nos mostra a sexta edição do livro de visitas da estação, que está cheia de mensagens sinceras dos fãs. O pai de Harry Styles, Des, passa por lá de tempos em tempos para pegar livros com homenagens e entregar ao seu filho.

Sobre seu papel como guia dos fãs de Harry, Blake diz: “Isso transformou meu trabalho no melhor trabalho do mundo, porque posso conhecer pessoas de todos os lugares que vêm aqui para conversar.”

A bilheteria é decorada com itens de memórias temáticas de Harry Styles, incluindo um recorte em tamanho real. Outro Harry 2D nos cumprimenta na padaria W. Mandeville, onde tanto funcionários quanto clientes não se incomodam com a confusão da imprensa, claramente acostumados com a fama recém-descoberta da vila.

Nas vitrines das lojas, há livros de colorir de Harry Styles; bares anunciam coquetéis “Watermelon Sugar”. Seria uma cidade difícil para qualquer morador cansado de Styles.

No vilarejo, há uma abundância de mercadorias nas lojas locais
No vilarejo, há uma abundância de mercadorias “Harry” nas lojas locais / Maureen O’Hare/CNN

Navegando pelo campo inglês

Após comprarem doces na W. Mandeville, os fãs costumam tentar caminhar até o viaduto Twemlow ao longo da movimentada estrada A305, onde os carros viajam a cerca de 80 km/h e não há calçadas.

A rota mais segura, e a que Harry Styles e outras crianças locais teriam feito, é um passeio por campos verdes e pelo rio.

No caminho para o viaduto, os visitantes também devem entender do código do campo da Inglaterra e País de Gales, com sua orientação sobre como navegar em terras privadas e animais locais.

Com o viaduto cheio, nosso grupo de turistas segura corações de ardósia que ganhamos para escrever mensagens homenageando Styles. O intuito do presente é evitar que haja mais grafites inspirados no cantor cobrindo o muro.

Isso não dissuade um rebanho de gado de passear entre nós, correndo o risco de pisotear o cobertor sobre o qual os fãs estão sentados fazendo pulseiras de amizade.

Fãs escrevem em muro dedicado a Harry Styles
Fãs escrevem homenagens em muro dedicado a Harry Styles / Maureen O’Hare

As amigas Phoebe Hodges e Mia Tesolin, ambas de 18 anos, viajaram de Canberra, na Austrália, para ver a cidade natal de Harry Styles. “Eu gosto de toda a vegetação e de todas as casas”, diz Hodges. “A paisagem é definitivamente muito bonita”, completa Tesolin.

O passeio ainda não foi oficialmente aprovado por Harry Styles, embora Peter Whiers, presidente do Holmes Chapel Partnership, diga à CNN que eles entraram em contato com sua equipe administrativa por meio de sua mãe. A CNN também entrou em contato com sua gravadora para comentar.

Esta não é a primeira vez que Whiers é vinculado a Styles por meio da segurança no trânsito. “Provavelmente supervisionei suas habilidades no ciclismo quando ele tinha cerca de 10 anos”, diz ele, responsável por preparar as crianças de sua escola para o teste de proficiência em ciclismo, um programa nacional de segurança para bicicletas.

“Mensagens de amor”

Um local que o passeio não inclui é o recém-reaberto restaurante chinês Fortune City, que — quando espiamos pelas janelas escuras em uma tarde de sexta-feira — se assemelha a qualquer outro restaurante da pequena cidade.

Foi, no entanto, onde Harry Styles, aos 18 anos, levou sua então namorada, Taylor Swift, 23, para um encontro em 2012. Uma foto capturando o momento foi compartilhada no Twitter na época, com o cantor parecendo consideravelmente mais animado do que Swift.

Whiers disse à CNN que a base de fãs é composta predominantemente por meninas e mulheres jovens e que elas são “geralmente muito respeitosas”. “Acho que, quando você olha as mensagens que eles escrevem no livro de Graham na estação e também as mensagens que deixam na parede, são todas mensagens de amor”, diz ele.

Com nosso passeio por Holmes Chapel sendo muito bem-sucedido, os fãs escolheram a música de Harry Styles, “Treat People with Kindness”, como seu mantra.

O preço, £ 20 (cerca de R$ 136,36), parece exorbitante, mas o mapa turístico do tour oferece descontos em empresas locais, que esperam uma boa temporada de vendas de camisetas turísticas.

Do Japão à Áustria e às Baleares, existem pequenas comunidades revoltadas contra a tomada das suas aldeias pelos turistas. Quando a vida lhe der limões, faça uma limonada.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original