Mundo ultrapassa marca de 9 milhões de casos de Covid-19, indica universidade


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
22 de junho de 2020 às 14:26 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 17:24
 
 

O mundo ultrapassou, nesta segunda-feira (22), a marca de 9 milhões de casos confirmados do novo coronavírus, de acordo com informações da Universidade Johns Hopkins, instituição norte-americana que atualiza um painel em tempo real com dados da doença.

Os Estados Unidos são o país com mais casos (2,2 milhões) e mais mortes (mais de 119 mil) causados pela Covid-19. O Brasil é o segundo colocado nas duas contagens, com mais de 1 milhão de casos e pouco mis de 50 mil mortes.

Os outros países com mais casos são Rússia (mais de 591 mil), Índia (mais de 425 mil) e Reino Unido (mais de 305 mil). Já os outros países com mais mortes são o Reino Unido (mais de 42 mil), a Itália (mais de 34 mil) e a França (mais de 29 mil).

Os números compilados pela Johns Hopkins são atualizados várias vezes no mesmo dia. Segundo a universidade, os dados vêm de fontes como a OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades de saúde de diferentes países.

Assista e leia também:

Brasil passa de 1 milhão de casos confirmados de Covid-19

OMS espera produção de vacina para Covid-19 ainda em 2020

Aumento de casos

Os dados da Johns Hopkins mostram que os casos do novo coronavírus continuam aumentando em todo o mundo, apesar de a maior parte da Europa e da Ásia ter controlado a pandemia.

Os primeiros casos de Covid-19 foram reportados na China entre o fim de 2019 e o começo de 2020. O primeiro milhão de casos no mundo foi registrado em 2 de abril – portanto, mais de três meses após o início dos registros.

Depois disso, porém, o crescimento se acentuou e o segundo milhão foi contabilizado já no dia 15 de abril. No mesmo mês, no dia 27, foi reportado o terceiro milhão de infectados.

Em maio, foram outras três marcas expressivas: 4 milhões de casos no dia 9, 5 milhões no dia 21 daquele mês e 6 milhões no dia 30.

O mundo passou de 7 milhões de casos de Covid-19 no dia 7 de junho e a marca de 8 milhões veio no dia 15 e, agora, no dia 22, já são 9 milhões.