Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA vão destinar 1 bilhão de dólares à Polônia para ajuda humanitária a refugiados

    Joe Biden disse que a ajuda humanitária deve fornecer comida, cobertores, cuidados médicos e serviços de saúde aos refugiados o mais rápido possível

    Ingrid Oliveirada CNN

    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse, nesta sexta-feira (25) em entrevista coletiva ao lado do presidente da Polônia, Andrzej Duda, que irá destinar um bilhão de dólares (aproximadamente R$ 4,7 bilhões) à Polônia para ajudar na situação humanitária dos refugiados no país.

    “Seja a comida, cobertores, cuidados médicos ou serviços de saúde, as pessoas precisam disso agora, o mais rápido possível. Ontem eu anunciei que estamos preparados para trazer mais um bilhão de dólares para os afetados pelos impactos negativos dessa guerra”, afirmou Biden.

    Biden reafirmou a posição do país.  “Tentamos ajudar, [a amenizar] o sofrimento que acontece agora”, disse o presidente dos EUA.

    Cerca de 3,6 milhões de refugiados fugiram da Ucrânia, segundo estimativas da Organização das Nações Unidas, com a maioria deles chegando à Polônia.

    “O sofrimento que está acontecendo agora está à sua porta. Vocês são os que arriscam, em alguns casos suas vidas […]e o povo americano está orgulhoso de apoiar seus esforços”, disse o presidente dos EUA.

    Biden afirmou ainda que a “Ucrânia é um celeiro do mundo e os EUA farão sua parte para ajudar.”

    Presidente da Polônia

    Andrzej Duda, falou que a presença de Biden na Europa é um sinal de união. “De uma união com a Otan e um apoio firme, e o compromisso dos EUA em instalar a paz mundial.”

    Duda disse ainda que os refugiados da Ucrânia são chamados de irmãos. “Hoje nós temos 2,2 milhões de refugiados na Polônia e os números continuam aumentando”.

    O presidente da Polônia aproveitou o momento para fazer um agradecimento a todos que estão enviando assistência ao país e aos poloneses que abriram suas casas para receber os “irmãos, vizinhos ucranianos”.