Israel confirma primeira morte por reinfecção causada pelo coronavírus

'Não há dúvidas de que o homem foi contaminado duas vezes e que foi golpeado por duas doenças diferentes', disse especialista do hospital em Petah Tivka

Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo
23 de dezembro de 2020 às 11:50
Israel identifica a primeira morte pela nova cepa do coronavírus, ocorrida em novembro
Foto: Reuters

Um homem de 74 anos morreu no final de novembro por complicações da Covid-19 em Israel. A diferença deste caso para as outras 3.111 mortes pela doença no país é que possui um agravante: trata-se de uma reinfecção causada pela nova cepa do SARS-CoV-2, identificada recentemente.

O homem havia contraído a Covid-19 em agosto, mas se recuperou. Após o tratamento no hospital Centro Rabínico de Medicina, em Petah Tivka, ele testou negativo três vezes para a doença, indicando a cura.

Em novembro, o idoso - que vivia em uma casa de repouso - começou a apresentar sintomas do vírus novamente, e então foi admitido no Centro Médico Sheba, o maior de Israel. Ele não resistiu às complicações e foi vítima da infecção, confirmou o veículo de notícias local Times of Israel.

Os médicos e especialistas ficaram intrigados com o caso, e então iniciaram pesquisas diagnósticas para identificar se o vírus havia ficado "adormecido" dentro do organismo do homem, ou se houve uma reinfecção.

Leia também:
Estado de SP só terá serviços essenciais durante Natal e Ano Novo
OMS convoca reunião sobre nova variante do coronavírus
Doses são suficientes, mas vacina atrasada obriga seleção de grupos prioritários

As amostras coletadas pelo hospital Sheba acusaram que a segunda leva de sintomas havia sido causada por uma nova variação do vírus, o que acusa reinfecção. "Não há dúvidas de que o homem foi contaminado duas vezes e que havia se recuperado da primeira infecção. Parece que foi golpeado duas vezes por dois vírus diferentes", disse a professora Galia Rahav, chefe da Unidade de Doenças Infecciosas e Laboratórios do Centro Médico Sheba, à plataforma de notícias israelense Ynet.

"Eu não sei o quão comum é isso", disse Rahav. "Nós não sabemos, mas é muito preocupante o fato de uma pessoa poder adoecer algumas vezes com a Covid-19 quando o vírus muda. Qual será o papel de uma vacina nessa situação?"

Destaques do CNN Brasil Business:
Mutação do vírus da Covid-19 é maior preocupação do mercado financeiro para 2021
Impacto de mutação do vírus será contrabalanceado por vacina, diz ex-BC
Retrospectiva 2020: As ações que mais surpreenderam (e avançaram) no ano

O CEO da BioNTech, Ugur Sahin, afirmou em entrevista à CNN que a empresa e sua parceira Pfizer já estão estudando os efeitos da vacina na nova cepa do SARS-CoV-2 - e que as pesquisas indicam que a vacina é eficiente também contra a mutação, sem necessidade de alterações.

A nova variação da Covid-19 provocou medidas de restrição da circulação entre o Reino Unido e diversos países. Os cientistas afirmam que ela pode ser até 70% mais contagiosa do que a doença original, mas não há indicativos de que seja mais grave ou mais letal que a anterior.

Israel já iniciou a vacinação de sua população, sendo o primeiro vacinado do país o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O imunizante utilizado na campanha é o desenvolvido pela parceria Pfizer/BioNTech, mas o governo israelense também encomendou doses da fórmula da Moderna e da AstraZeneca.

*sob supervisão de André Rigue