Amazonas requisita oxigênio das empresas do polo industrial de Manaus

Falta de cilindros para atender pacientes internados leva sistema de saúde do estado ao colapso

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O governo do Amazonas requisitou administrativamente o eventual estoque e produção de oxigênio de 17 indústrias do polo industrial de Manaus para que seja distribuído aos hospitais. Cilindros de oxigênio da empresa White Martins foram escoltados durante a madrugada desta sexta-feira (15) e distribuídos em algumas unidades.

Empresas privadas divulgaram que vão colaborar. A Honda da Amazônia afirmou que já doou 14 cilindros e que entregará mais oito nesta sexta-feira. A Electrolux disse que vai ceder seus estoques de oxigênio usados na fabricação de ar condicionado para a rede estadual de saúde.

A Venezuela anunciou por meio do ministro da Relações Anteriores, Jorge Arreaza, que também vai fornecer o material ao estado.

 

Cilindros vindos de outras partes do país foram transportados por aviões da FAB. Pacientes com sintomas moderados da Covid-19 serão transportados para outros estados para dar continuidade ao tratamento. 

Muita gente tenta comprar de forma particular o cilindro para levar à unidade hospitalar onde o familiar está internado. Parentes de pessoas internadas dormem em frente aos hospitais. A cidade está em toque de recolher das 19 horas da noite até as 6 horas da manhã – nesses horários, apenas profissionais de saúde, segurança pública e imprensa podem circular.

A alta nos índices de casos e mortes é atribuída pelas autoridades, além da nova cepa, às aglomerações nas festas de fim de ano. A mutação foi identificada em passageiros de Manaus que desembarcaram em Tóquio e tem uma capacidade de transmissão maior.

 

Vídeo mostra o momento em que família carrega cilindro de oxigênio para paciente
Vídeo mostra o momento em que família carrega cilindro de oxigênio para paciente internado com Covid-19, em Manaus (AM)
Foto: Reprodução/CNN Brasil (14.jan.2021)

(Publicado por: André Rigue)

 

Mais Recentes da CNN