Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Titan: veja a linha do tempo dos acontecimentos do submarino que sofreu implosão

    Autoridades investigam condições que levaram ao final trágico da embarcação

    Ray Sanchezda CNN

    Um dia antes do desaparecimento do submersível Titan, um empresário e explorador britânico escreveu sobre seu orgulho de “descer ao Titanic” como especialista em missões.

    Hamish Harding disse via rede social no sábado (17) que “uma janela meteorológica acaba de se abrir” após “o pior inverno na Terra Nova em 40 anos”. Veterano de expedições extremas, Harding disse que seria acompanhado por “alguns exploradores lendários” no mergulho que começaria na manhã de domingo (18).

    Sua última postagem na rede social incluiu uma foto do submersível OceanGate e outra de assinando um banner da Expedição Titanic.

    O mergulho “provavelmente será a primeira e única missão tripulada ao Titanic em 2023” por causa do inverno particularmente rigoroso, escreveu Harding no sábado passado – um dia após a expedição partir de St. Príncipe Polar.

    No dia seguinte, o submersível sofreu uma “implosão catastrófica”, matando todas as cinco pessoas a bordo, anunciou o contra-almirante da Guarda Costeira dos Estados Unidos, John Mauger, na quinta-feira (22), quatro dias depois que a embarcação desapareceu nas proximidades dos destroços de 111 anos do Titanic nas profundezas do Atlântico Norte. O anúncio encerrou um esforço internacional desesperado de busca e resgate que capturou a atenção global.

    Além de Harding, os outros passageiros a bordo eram Stockton Rush, CEO e fundador da OceanGate; o bilionário paquistanês Shahzada Dawood e seu filho Suleman Dawood; e o mergulhador francês Paul-Henri Nargeolet, um renomado especialista em Titanic com décadas de experiência em exploração.

    Estes foram os dias inquietantes desde o catastrófico fim do submersível Titan:

    Domingo, 18 de junho: ‘Descubra algo verdadeiramente extraordinário’

    No local do naufrágio do Titanic, a cerca de 1,4 mil quilômetros da costa de Cape Cod, Massachusetts, o submersível iniciou sua descida de duas horas de 3.800 metros abaixo do nível do mar. A expedição de US$ 250.000 por pessoa foi anunciada como “uma chance de sair da vida cotidiana e descobrir algo verdadeiramente extraordinário”, de acordo com uma versão arquivada do site da OceanGate.

    Eram 9h, horário de verão do Atlântico, de acordo com o Miawpukek Maritime Horizon Services, coproprietário do Polar Prince.

    Às 11h47, o submersível de pouco mais de 6 metros perdeu contato com seu navio-mãe. Sem GPS debaixo d’água, a embarcação era guiada apenas por mensagens de texto do navio de superfície.

    Horas depois, às 18h10, o submersível não voltou à superfície conforme programado. As autoridades foram notificadas às 18h35, de acordo com o Miawpukek Maritime Horizon Services, iniciando um esforço internacional de busca e resgate.

    Polar Prince, o principal navio de apoio ao submersível Titan / Jordan Pettitt/PA Images via Getty Images

    Segunda-feira, 19 de junho: Uma corrida contra o tempo

    O Titan tem quatro dias de capacidade de emergência, Mauger disse a repórteres.

    O suprimento de ar de emergência de 96 horas do submarino foi configurado na manhã de quinta-feira como um alvo de busca crucial.

    As equipes da guarda costeira dos EUA e do Canadá vasculharam a superfície do oceano e usaram sonares para buscar sons muito abaixo da água. Navios comerciais também ajudaram nas buscas.

    No Facebook, Rory Golden, participante da expedição a bordo do Polar Prince, pediu às pessoas que “pensem positivo. Nós estamos.”

    A OceanGate Expeditions disse em um comunicado na noite de segunda-feira (19) que estava tomando “todos os passos possíveis” para resgatar os cinco tripulantes.

    Terça-feira, 20 de junho: Uma ‘espera interminável’ e diminuição do suprimento de oxigênio

    O sonar captou sons de batidas debaixo d’água no Oceano Atlântico Norte enquanto procurava o submersível, de acordo com um memorando interno do governo dos EUA sobre a busca.

    As equipes detectavam sons de batidas a cada 30 minutos – e horas depois, depois que dispositivos de sonar adicionais foram implantados, batidas ainda eram ouvidas, de acordo com o memorando obtido pela CNN. Não ficou claro quando o barulho foi ouvido ou por quanto tempo.

    Os ruídos subaquáticos foram detectados por uma aeronave canadense P-3, levando à realocação de recursos para explorar sua origem, disse a Guarda Costeira dos EUA via Twitter, acrescentando que as “buscas produziram resultados negativos”. Especialistas navais dos EUA estavam analisando os dados.

    Na tarde de terça-feira (20), o capitão da Guarda Costeira dos EUA, Jamie Frederick, estimou que a embarcação estava com menos de 40 horas de oxigênio. As autoridades não tinham certeza se era tempo suficiente para resgatar as pessoas a bordo.

    Com a chegada de novos equipamentos, os pesquisadores iniciaram a operação abaixo do nível do mar depois de vasculhar uma área da superfície do oceano do tamanho de Connecticut, de acordo com Mauger.

    “O que estamos passando agora é uma espera interminável”, disse Mathieu Johann, amigo de Nargeolet, à CNN.

    Missão de busca e resgate atraiu atenção do mundo / Jordan Pettitt/PA Images via Getty Images

    Quarta-feira, 21 de junho: Uma ‘missão de busca e resgate, 100%’

    A aeronave canadense P-3 detectou ruídos subaquáticos na área de busca, de acordo com a Guarda Costeira dos EUA.

    Veículos subaquáticos operados remotamente foram realocados para explorar a origem dos ruídos, e os dados foram enviados a especialistas da Marinha dos EUA para análise.

    Não ficou claro se os ruídos ouvidos na noite de terça e na manhã de quarta eram do submersível desaparecido, de acordo com Frederick.

    “Não sei dizer quais são os ruídos”, disse Frederick, mas enfatizou que a operação ainda era uma “missão de busca e resgate, 100%”.

    Se a embarcação estivesse no oceano profundo, manter-se aquecido e lúcido seria o maior obstáculo para os cinco passageiros, alertaram os especialistas.

    “Eles estão congelando”, disse o capitão aposentado da Marinha David Marquet à CNN. “Eles estão todos amontoados tentando conservar o calor do corpo. Eles estão ficando sem oxigênio e exalando dióxido de carbono.”

    Os EUA moveram ativos militares e comerciais enquanto aeronaves das Forças Armadas do Canadá, da Guarda Costeira dos EUA e da Guarda Aérea Nacional de Nova York olhavam acima e abaixo da água. Um navio de pesquisa com um robô subaquático foi enviado pela França para se juntar à missão.

    Os ruídos das batidas forneceram uma vaga esperança em uma situação terrível agravada pelos relatórios emergentes sobre as operações e práticas de segurança da OceanGate.

    Quinta-feira, 22 de junho: ‘Um interruptor de luz foi desligado’

    Minutos antes de uma entrevista à imprensa da Guarda Costeira dos EUA na tarde de quinta-feira (22), a OceanGate Expeditions emitiu um comunicado lamentando a morte dos cinco homens a bordo.

    “Agora acreditamos que nosso CEO Stockton Rush, Shahzada Dawood e seu filho Suleman Dawood, Hamish Harding e Paul-Henri Nargeolet estão tristemente perdidos”, disse a OceanGate em um comunicado.

    “Esses homens eram verdadeiros exploradores que compartilhavam um espírito distinto de aventura e uma profunda paixão por explorar e proteger os oceanos do mundo. Nossos corações estão com essas cinco almas e todos os membros de suas famílias durante esse período trágico. Lamentamos a perda de vidas e a alegria que eles trouxeram para todos que conheciam”.

    Mauger disse a repórteres que o submersível sofreu uma “implosão catastrófica”.

    O cone de cauda e outros detritos do submersível desaparecido foram encontrados por um veículo operado remotamente a cerca de 485 metros da proa do Titanic.

    “Este é um ambiente incrivelmente implacável lá no fundo do mar e os destroços são consistentes com uma implosão catastrófica da embarcação”, disse Mauger.

    As famílias foram imediatamente notificadas.

    Flores colocadas no porto de St John’s, em Newfoundland, no Canadá, em homenagem aos mortos na implosão do Titan / Jordan Pettitt/PA Images via Getty Images

    Cinco pedaços diferentes de destroços do submersível foram encontrados na área na manhã de quinta-feira, disseram autoridades. Cada extremidade do casco de pressão foi encontrada em um lugar diferente, de acordo com Paul Hankins, diretor de Operações de Salvamento e Engenharia Oceânica da Marinha dos EUA.

    A Marinha dos EUA disse ter detectado uma assinatura acústica consistente com uma implosão no domingo na área geral onde o submersível estava mergulhando quando perdeu a comunicação, disse um oficial sênior da Marinha à CNN.

    A Marinha imediatamente transmitiu a informação aos comandantes que lideravam o esforço de busca, e ela foi usada para restringir a área de busca, disse o oficial.

    Ainda assim, o som da implosão foi determinado como “não definitivo”, disse o funcionário, e os esforços multinacionais para encontrar o submersível continuaram como uma operação de busca e salvamento.

    “Qualquer chance de salvar uma vida vale a pena continuar a missão”, disse o oficial.

    A Marinha dos EUA também ajudou a analisar as assinaturas de áudio de batidas e outros dados acústicos que foram ouvidos durante os esforços de busca, disse o oficial da Marinha. Provavelmente eram alguma forma de vida natural ou sons emitidos por outros navios e embarcações, de acordo com o oficial.

    Não está claro onde ou quão profundo o Titan estava quando ocorreu a implosão.

    Uma implosão catastrófica é “incrivelmente rápida”, ocorrendo em apenas uma fração de milissegundo, disse Aileen Maria Marty, ex-oficial da Marinha e professora da Florida International University.

    “Em última análise, entre as muitas maneiras pelas quais podemos morrer, isso é indolor”, disse ela.

    Tom Dettweiler, um explorador oceânico e amigo de Nargeolet, lembrou na quinta-feira a descrição de um especialista de uma implosão catastrófica em um submarino israelense em 1968.

    “Para a tripulação, foi como se um interruptor de luz tivesse sido desligado”, ele se lembra de ter dito o especialista. “Eles nem perceberam o que estava acontecendo. Eles não sofreram.”

    Com informações de Alisha Ebrahimji, Paul P. Murphy, Oren Liebermann, Curt Devine, Isabelle Chapman, Gabe Cohen, Kristina Sgueglia, Nouran Salahieh, Priscilla Alvarez, Mostafa Salem, Sofia Cox, Hira Humayun, Laura Ly, Eric Levenson, Elizabeth Wolfe, Rob Frehse , Steve Almasy e Ray Sanchez da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original