Cinco cenários que podem acontecer na Ucrânia daqui para frente

Do agravamento da crise de refugiados até as condições para um cessar-fogo, guerra terá diferentes desdobramentos nas próximas semanas

Soldado ucraniano nas ruas de Kiev, capital do país
Soldado ucraniano nas ruas de Kiev, capital do país Chris McGrath/Getty Images (14.mar.2022)

Angela Dewanda CNN

Ouvir notícia

A guerra da Rússia na Ucrânia está se aproximando da marca de um mês, e o avanço de suas tropas em algumas cidades-chave, incluindo a capital de Kiev, parece ter diminuído.

Embora haja um quadro crescente de que o ataque da Rússia à Ucrânia não está saindo como planejado, o país continua a usar seu poder aéreo para destruir cidades e atingir civis a fim de empurrar a Ucrânia à submissão.

Então, para onde caminha essa guerra? Aqui estão cinco possibilidades para ficar atento nas próximas semanas.

1. A Rússia poderia intensificar sua campanha de bombardeio

Especialistas estão alertando que quanto mais a Rússia é atingida em solo, maior a probabilidade de intensificar sua campanha de bombardeio aéreo e o uso de outras armas de “repouso” que coloquem os soldados russos em menor perigo.

Há pouca informação confiável saindo da Ucrânia ou da Rússia sobre o número de mortos, mas um relatório em um tablóide russo na segunda-feira (21) sugeriu que o lado russo havia perdido quase 10.000 soldados e que outros 16.000 haviam sido feridos.

O site Komsomolskaya Pravda removeu os números no final do dia, alegando que os números só apareceram em primeiro lugar porque haviam sido hackeados.

A CNN não conseguiu verificar os dados, mas o número de mortos está mais próximo do que o relatado pelas agências de inteligência dos EUA.

Tais perdas, se comprovadamente verdadeiras, explicariam tanto a parada no movimento terrestre quanto o aumento do bombardeio aéreo de cidades-chave e outros ataques de impasse.

Um alto funcionário da defesa dos EUA disse que a Rússia começou a disparar contra a cidade de Mariupol, no sul, de navios no Mar de Azov.

“A Rússia ainda tem capacidades e reservas, e haverá um aumento na intensidade à medida que se esforça para trazer mais tropas”, disse Jeffrey Mankoff, um distinto pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos Nacionais da Universidade de Defesa Nacional dos EUA, à CNN.

Uma atualização recente do Ministério da Defesa do Reino Unido disse que a Rússia estava atraindo tropas de todo o país e de locais distantes, como sua frota do Pacífico. O país também estaria atraindo combatentes da Armênia e de empresas militares privadas, sírios e outros mercenários.

A questão é por quanto tempo a Rússia pode continuar com altas perdas de pessoal.

“Haverá mais tropas e outros equipamentos e ajuda, é claro, mas há um ponto em que será difícil sustentar esse tipo de ritmo operacional, particularmente os números sobre os quais temos ouvido — tanto em termos de homens e de perdas materiais, quanto eles superar a capacidade de reabastecimento”, disse Mankoff.

2. Embora haja foco em Kiev, a Rússia pode tentar cercar combatentes ucranianos no leste

Fala-se muito sobre o impasse do esforço de guerra russo, mas se isso é verdade ou não se resume a quais eram os objetivos de Moscou em primeiro lugar.

Mesmo isso é difícil de saber com certeza, já que a justificativa pública do país para sua invasão é claramente propaganda -- a "desnazificação da Ucrânia", por exemplo.

É provável que a Rússia esteja, no mínimo, tentando incorporar partes do leste da Ucrânia.

Áreas como Donetsk e Luhansk, que compõem a região do Donbass, são controladas por separatistas apoiados pela Rússia desde 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e, embora as ambições da Rússia possam se estender além do Donbass, ainda é provável que seja um foco central, dizem especialistas.

Embora haja muita atenção no impulso da Rússia em direção a Kiev, a maior parte do exército ucraniano permanece perto de Donetsk e Luhansk, onde eles são agrupados como a Operação das Forças Conjuntas (JFO).

O movimento das tropas russas sugere que eles estão tentando cercar o JFO em três eixos, e é provável que esse seja o foco principal da Rússia.

Isso fica claro ao olhar para a sofisticação do tipo de tropas que estão sendo enviadas para lá, disse Sam Cranny-Evans, analista de pesquisa do Royal United Services Institute.

"O Distrito Militar do Sul -- em Donetsk, Luhansk, Mariupol, Berdyansk, Melitopol -- estas são as melhores tropas do exército russo. E eles sempre funcionam. Eles são projetados para combater a Otan", disse Cranny-Evans à CNN.

"Então, as forças que estavam comprometidas com o cerco de Kiev sugerem que era um objetivo que ou a Rússia achava que seria facilmente alcançado, ou superestimaram as capacidades dessas forças. Portanto, isso leva, em parte, à conclusão de que um cerco das tropas ucranianas na JFO faz parte do objetivo que a Rússia está procurando alcançar. E os movimentos das forças russas parecem sugerir que esse é o caso."

Ele acrescentou que a mídia ocidental estava tão focada nas perdas da Rússia e no desafio da Ucrânia que estava dando uma falsa noção da dinâmica da guerra.

"Se olharmos para esses mapas, fica claro que as forças russas realmente avançaram um longo caminho para um país muito grande. Eles tomaram algumas cidades, então agora há muito mais cidadãos ucranianos vivendo sob o domínio russo do que há três semanas", disse Cranny-Evans.

"Independentemente de quantos veículos russos explodiram ou quantos soldados russos são mortos, também é provável que haja um número muito alto de ucranianos que sofreram um destino semelhante."

Veja imagens da invasão da Ucrânia pela Rússia

3. Haverá mais conversas sobre conversas

Um cenário é que a guerra da Ucrânia pode se tornar um conflito prolongado.

É provável que a Rússia tenha perdido um número significativo de soldados, armas e equipamentos na guerra e, embora tenha se envolvido em conflitos de longa data no passado, não vai querer deixar este com seus militares totalmente destruídos.

"As negociações são a única área em que as coisas parecem um pouco promissoras, porque tanto a Rússia quanto a Ucrânia disseram na última semana que estão caminhando para uma discussão substantiva real, em vez de a Rússia apenas estabelecer um ultimato", disse Keir Giles, especialista russo do think tank Chatham House, com sede no Reino Unido, à CNN.

Autoridades russas disseram que suas demandas incluem a Ucrânia abandonar suas intenções de se juntar à Otan, se desmilitarizar e adotar um status "neutro", como a Áustria e a Suécia. Mas as condições do que isso significa para a Ucrânia teriam que ser negociadas.

O principal porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov, disse à CNN em uma entrevista na terça-feira que a Rússia também queria que a Ucrânia aceitasse que a Crimeia -- que a Rússia anexou em 2014 -- é oficialmente parte da Rússia e que as estadistas separatistas de Luhansk e Donetsk "já são estados independentes".

Numerosos especialistas especularam que a Rússia procurará esculpir partes do leste da Ucrânia.

"Será doloroso deliberar, a menos que se torne possível que a ajuda ocidental, tanto militar quanto humanitária, seja absorvida na Ucrânia a taxas suficientes para que eles possam realmente virar a maré contra o avanço russo", disse Giles.

"Se é uma questão de quem pode derramar os maiores recursos e sentir a dor maior para prevalecer, a Rússia tem um histórico de infligir danos econômicos substanciais a si mesma e submeter sua própria população ao sofrimento a fim de seguir com guerras", disse Giles, referindo-se a sanções que estão começando a complicar a economia russa.

Mas as autoridades dos EUA não estão tão otimistas de que as negociações vão correr bem.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse em uma coletiva de imprensa na semana passada que uma solução diplomática para a guerra era improvável, dizendo que as ações da Rússia "estão em total contraste com qualquer esforço diplomático sério para acabar com a guerra".

Ele também sugeriu que a Rússia intensificaria a guerra usando armas químicas.

4. Pode haver "deportações" de ucranianos para a Rússia. Isso é preocupante

Embora alguns tenham conseguido sair, autoridades ucranianas dizem que outros foram levados involuntariamente para a Rússia.

A Rússia tem dito aos moradores da cidade de Mariupol, no sul, para sair enquanto realiza um bombardeio aéreo agressivo que despedaçou a cidade.

As forças abriram o que chamam de "corredores humanitários" para permitir que civis fujam, mas dezenas de milhares deles foram transportados para a Rússia.

A organização estatal russa de mídia RIA Novosti informou que quase 60.000 residentes de Mariupol chegaram ao território russo "com total segurança".

A mídia russa mostrou linhas de veículos aparentemente indo para o leste até a fronteira, a cerca de 40 quilômetros de Mariupol.

Mas o conselho de Mariupol acusou a Rússia de forçar os moradores a ir à Rússia contra sua vontade.

"Na semana passada, vários milhares de moradores de Mariupol foram levados para o território russo", disse a cidade em um comunicado.

O prefeito de Mariupol, Vadym Boichenko, disse no sábado que "o que os ocupantes estão fazendo hoje é familiar para a geração mais velha, que viu os terríveis eventos da Segunda Guerra Mundial, quando os nazistas capturaram pessoas à força".

Giles disse que havia a preocupação de uma reprise dessa história sombria nas próximas semanas.

"A Rússia tem um histórico de represálias cruéis e selvagens contra civis em qualquer área quando qualquer tipo de movimento de resistência está ocorrendo. E já se moveram para deportar pessoas de Mariupol para partes remotas da Rússia, o que vem diretamente do roteiro do século XX da Rússia para lidar com esses problemas", disse ele.

Giles se referiu às "deportações" de centenas de milhares de pessoas dos estados bálticos da Estônia, Letônia e Lituânia, que a Rússia anexou à União Soviética no início da Segunda Guerra Mundial.

"'Deportação' é um eufemismo. Tem sido usado como um termo bastante inócuo para o que aconteceu com essas pessoas, o que foi efetivamente escravidão e fome. Estão enviando as mulheres, as crianças, as pessoas que você deseja remover das sociedades, para neutralizá-las", disse Giles.

"Eles geralmente se deparam com destinos horríveis. Se eles sobreviveram, não retornariam por anos ou décadas."

5. Mais milhões de ucranianos poderiam fugir, deixando uma nação em pedaços

O destino da guerra é uma coisa, mas o destino da Ucrânia é outra.

Assim como o poder aéreo russo deixou algumas das cidades e vilas da Síria em escombros, partes da Ucrânia estão começando a parecer iguais. Mais de 3,5 milhões de ucranianos já deixaram o país.

A maioria são mulheres e crianças, o que significa que as famílias também estão sendo dilaceradas. A guerra desencadeou o maior movimento de refugiados que a Europa já viu desde a Segunda Guerra Mundial.

Esses números estão aumentando a uma taxa de cerca de 100.000 pessoas por dia.

(Omar Marques/Getty Images)
Ucranianos que fugiram de guerra aguardam para embarcar em ônibus próximo à fronteira com a Polônia / Getty Images

Se for incluído o número de pessoas deslocadas internamente, 10 milhões de ucranianos já deixaram suas casas. Isso é quase um quarto da população do país.

E o que as guerras passadas mostram é que os refugiados muitas vezes nunca retornam aos seus países de origem. Muitas vezes, há pouco para o que voltar. Eventualmente, a ameaça de mais uma guerra é suficiente para manter os refugiados afastados.

É algo em que os negociadores precisarão pensar em qualquer conversa no horizonte.

Mesmo que uma solução diplomática possa ser encontrada para acabar com esta guerra, uma questão que permanecerá é se ela será suficiente para evitar a próxima, disse Cranny-Evans.

"Se olharmos, historicamente, para regimes autoritários que têm um desempenho ruim em um ambiente militar, eles não tendem a mudar seu comportamento em uma direção positiva depois", disse Evans.

"Portanto, a questão pode ser que, se os ucranianos disserem: 'Ok, seremos neutros, apenas saia', os russos podem dizer 'Não, você tem que nos dar Donetsk e Luhansk. Isso pode ser suportável para a Ucrânia, talvez, para parar a guerra'", avaliou.

"Mas e se, por exemplo, 10 anos depois, a Ucrânia avançar com uma modernização militar significativa? Ou se o próximo presidente russo quiser provar seu valor, e eles conduzem outra guerra? Há muitos cenários para pensar em termos do que o fim desta guerra poderia levar."

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN