Meta, Google e Twitter: Empresas de tecnologia aplicam sanções contra Rússia

Gigantes digitais reagem à invasão russa na Ucrânia; medidas visam desinformação envolvendo a guerra na Ucrânia

Empresas de tecnologia aplicam sanções contra a Rússia
Empresas de tecnologia aplicam sanções contra a Rússia Tânia Rêgo/Agência Brasil

Renata Souzada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Desde que Vladimir Putin autorizou uma operação militar na Ucrânia, na última quinta-feira (24), diversas empresas anunciaram sanções contra a Rússia. Entre elas estão gigantes da tecnologia, como Meta, Google e Twitter.

Com a deflagração dos conflitos no Leste Europeu, a comunidade internacional começou a cobrar as plataformas digitais a adotar estratégias para acabar com a desinformação envolvendo a guerra na Ucrânia.

As medidas adotadas pelas multinacionais impactam, principalmente, os sistemas de comunicação russos, mas também combatem fake news e propagandas contra a Ucrânia.

Meta

Nesta terça-feira (1º), a Meta Platforms, proprietária do Facebook e do Instagram, anunciou que passaria a rebaixar conteúdo das páginas da mídia estatal russa, assim como links para seus sites. Isso quer dizer que o algoritmo dificultará o acesso a tais conteúdos. A medida será aplicada globalmente.

Outra ação anunciada foram os avisos aos usuários que tentarem compartilhar links para páginas da mídia controlada pelo Estado russo, tanto no Instagram quanto no Facebook.

Anteriormente, a Meta já havia restringido o acesso dos meios de comunicação russos RT e Sputnik em suas plataformas na União Europeia. Além disso, a empresa anunciou ter derrubado dezenas de contas falsas, grupos e páginas que apoiavam a Rússia, disseminando propaganda contra a Ucrânia.

Google

O Google anunciou nessa segunda-feira (28), que não permitirá mais anúncios dos meios de comunicação estatais russos. A empresa ainda afirmou que adotará outras medidas, se necessário.

No domingo, a empresa havia anunciado a desativação temporária de algumas ferramentas do Google Maps que fornecem informações ao vivo sobre trânsito e movimentação na Ucrânia. Nesse caso, o Google alegou ter aderido à medida em prol da segurança das comunidades locais no país.

Twitter

O Twitter passou a rotular conteúdos da mídia estatal russa ou que contenham links direcionando para os meios de comunicação do Estado. Segundo a plataforma, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, o engajamento de usuários com publicações desse tipo cresceu expressivamente.

Além da sinalização, a plataforma também afirmou que reduzirá a visibilidade e amplificação desses conteúdos, não direcionando-os na pesquisa principal nem recomendando-os aos usuários.

A rede já rotulava publicações de mídias estatais, sendo que desde 2019 é proibido que esses meios de comunicação produzam publicidade no Twitter.

YouTube

O YouTube, subsidiário de vídeos da Google, interrompeu temporariamente a capacidade de diversos canais russos de monetizar, ou seja, receber lucros a partir de vídeos publicados na plataforma.

Junto com a desmonetização, a empresa anunciou que limitará “significativamente” as recomendações para esses canais.

Netflix

A Netflix declarou não ter pretensão de incluir canais estatais em seu serviço russo. A decisão contraria um regulamento que exigia que a plataforma distribuísse canais apoiados pelo Estado.

O regulamento, determinado pela Rússia e descumprido pela Netflix, estabelece que serviços audiovisuais com mais de 100 mil assinantes no país distribuam 20 canais de notícias, esportes e entretenimento gratuitos.

TikTok

O TikTok –plataforma focada na publicação de vídeos curtos, especialmente humorísticos– bloqueou canais apoiados pela Rússia, como o RT e o Sputnik, na União Europeia.

Na segunda-feira (28), o regulador de comunicação russo exigiu que a rede deixe de recomendar conteúdos relacionados a operação militar na Ucrânia para usuários menores de idade.

Spotify

O Spotify anunciou nesta quarta-feira (2) o fechamento de seu escritório na Rússia indefinidamente em resposta à invasão na Ucrânia.

A plataforma também afirmou que, desde o início da guerra, revisou milhares de conteúdos em seu domínio, além de restringir a descoberta de programas operados pela mídia estatal russa.

No início desta semana, também removeu todo o conteúdo da mídia estatal RT e Sputnik do Spotify na União Europeia, Estados Unidos e outros mercados ao redor do mundo, exceto a Rússia.

“Nossa primeira prioridade na semana passada foi a segurança de nossos funcionários e garantir que o Spotify continue a servir como uma importante fonte de notícias globais e regionais em um momento em que o acesso à informação é mais importante do que nunca”, disse o Spotify em um comunicado.

Mais Recentes da CNN