Retrospectiva 2020: Os fenômenos da natureza que assolaram o planeta

Furacões, ciclones, onda de calor e tempestades em diferentes países e até um terremoto no interior da Bahia marcaram o ano

Jonathan Pereira, Colaboração para a CNN
15 de dezembro de 2020 às 12:52 | Atualizado 15 de dezembro de 2020 às 13:34
Retrospectiva 2020: ciclones, furacões, terremotos, ciclone bomba, desastres
Retrospectiva 2020 com os fenômenos da natureza
Foto: CNN


Os fenômenos da natureza em 2020 causaram sustos e dezenas de mortes. A lista conta com a temporada de furacões, ciclones, onda de calor e tempestades em diferentes países e até um terremoto no interior da Bahia. Relembre:

Temporada de furacões

Passagem do furacão Zeta pelos Estados Unidos
Passagem do furacão Zeta pelos Estados Unidos
Foto: NHC/ Reprodução

Os furacões -“ciclones tropicais com ventos máximos sustentados de 119 km/h ou mais", na definição do Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos - foram intensos ao longo de 2020, sobretudo no Atlântico, que registrou recorde, com pelo menos 30 tempestades que ganharam nome. Enquanto alguns perderam força, outros causaram estragos e mortes:

- Isaías: tornou-se furacão de categoria 1 perto da cidade de Ocean Isle Beach, na Carolina do Norte, no começo de agosto. As quedas de árvores que provocou mortes.

- Laura: formou-se em 21 de agosto, fazendo vítimas no Caribe, República Dominicana e no Haiti. Em pouco tempo, ganhou força até se tornar um furacão de categoria 4 (com ventos mínimos de 210 km/h), causando ainda mais mortes em Cameron, na Louisiana (EUA). 

- Sally - Foi o quarto furacão a tocar terra nos EUA em 2020, desta vez de categoria 2. Causou grandes estragos na costa leste do Golfo, derrubando linhas de energia e inundando avenidas.

Passagem do furacão Sally entre sul da Flórida, nos EUA, e Cuba
Passagem do furacão Sally entre sul da Flórida, nos EUA, e Cuba
Foto: Divulgação - 12.set.2020 / Nasa

- DeltaTornou-se furacão em 5 de outubro, e em um intervalo de quatro dias atingiu a Península de Yucatán, no México, e Creole, na Louisiana (EUA), já como furacão de categoria 2, onde fez vítimas.

Zeta - No final de outubro, fez o mesmo trajeto do Delta, chegando ao México como categoria 1 e à 2 na Louisiana, também deixando mortes.

- Iota - Formou-se em 13 de novembro no Caribe e em dois dias transformou-se em furacão. Causou mortes na Nicarágua, Honduras,Guatemala e Colômbia, dissipando-se em 18 de novembro.

Leia também
Ciclone, tufão, furacão, tempestade: a diferença entre esses fenômenos naturais
O que é um ‘ciclone bomba’, que está causando estragos no Sul do país
Veja os estragos da temporada de furacões no Atlântico

"Ciclone bomba"


 

Um ciclone extratropical conhecido como 'ciclone bomba' atingiu a Serra Gaúcha, parte de Santa Catarina e do Paraná em 30 de junho, causando fortes ventos, chuvas e mortes nos estados do sul do Brasil. Imagens de estouros na rede elétrica, árvores caindo sobre carros e casas sendo destelhadas impressionam. Mais de 4 mil pessoas ficaram desalojadas no Rio Grande do Sul. No litoral paulista, barcos e lanchas foram afundados durante sua passagem.

Ciclones

Destruição causada pelo ciclone Amphan na cidade de Calcutá, na Índia
Destruição causada pelo ciclone Amphan na cidade de Calcutá, na Índia
Foto: Reprodução - 21.mai.2020 / Reuters 

Em outros países, ciclones também causaram estragos. Em maio, o Amphan avançou rumo aos territórios continentais de Índia e Bangladesh, deixando um rastro de morte e destruição. Milhares de pessoas ficaram desabrigadas.

Em junho, também na Índia, mais de 100 mil pessoas retiradas de áreas costeiras nos estados ocidentais, em razão da aproximação do ciclone Nisarga, que avançou em direção a Mumbai. Cerca de 1.000 pacientes com suspeita de Covid-19 foram retirados de um hospital de campanha e levados para outras instalações.

Terremotos

Produtos ficam no chão durante terremoto na Bahia registrado neste domingo
Produtos ficam no chão durante terremoto na Bahia registrado neste domingo (30.ago.2020)
Foto: CNN Brasil


Ao menos 80 municípios da região do Recôncavo Baiano (BA) e do sul da Bahia informaram terem sentido tremores sísmicos com magnitude de 4.6 na escala Richter em 30 de agosto. No dia seguinte, um novo tremor de 3.5  foi registrado em algumas cidades do Recôncavo baiano - em Amargosa e São Miguel das Matas, Laje e Santo Antônio de Jesus. 

No final de outubro, um terremoto de magnitude 7 atingiu o Mar Egeu e foi sentido na Turquia e na Grécia. Dezenas de prédios foram destruídos pelo tremor. Uma menina de 3 anos foi resgatada viva após 65 horas soterrada.

Onda de calor

Termômetro da Avenida Presidente Vargas, em Brasília, registram onda de calor
Termômetro da Avenida Presidente Vargas, em Brasília, registram onda de calor
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Os brasileiros viveram temperaturas mais altas que o normal para setembro e outubro deste ano, o que obrigou o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) a emitir um alerta de "grande perigo", por risco de morte por hipertermia em grande parte da região Centro-Oeste e no estado do Tocantins, no Norte do país.